Províncias

Milhares de estudantes são matriculados no Bié

Afonso Belo | Cuito

Ao todo, 672 mil alunos vão ser admitidos, no ano lectivo 2011, nos três subsistemas de ensino da província do Bié, disse, ao Jornal de Angola, director provincial da Educação. Basílio Caetano afirmou que estão disponíveis 4.028 salas para alunos do ensino primário do 1º e 2º ciclos de ensino e 16 mil professores.

As aulas em todos os subsistemas de ensino começam no próximo dia 31
Fotografia: Jornalde Angola

Ao todo, 672 mil alunos vão ser admitidos, no ano lectivo 2011, nos três subsistemas de ensino da província do Bié, disse, ao Jornal de Angola, director provincial da Educação. Basílio Caetano afirmou que estão disponíveis 4.028 salas para alunos do ensino primário do 1º e 2º ciclos de ensino e 16 mil professores.
O sector, referiu, tem redobrado esforços para diminuir o número de crianças fora do sistema normal de ensino, construindo novas salas e admitindo novos agentes.
Para garantir qualidade de ensino nas escolas, ao nível das comunidades, declarou, a direcção provincial vai realizar, esta semana, acções de formação pedagógica para professores, incluindo os recém admitidos.
A abertura oficial do ano lectivo, na província do Bié, é na sexta-feira, no município da Nharea.
 
Merenda em todas escolas

O director provincial da Educação garantiu, na cidade do Cuito, que o programa de merenda escolar vai ser estendido a todas as escolas da província, incluindo as das zonas rurais.
Além dos fornecidos pelo Programa Alimentar Mundial (PAM), salientou, as crianças vão dispor de produtos nacionais, como a batata-doce e rena, milho, mandioca e frutas diversas.
Este ano lectivo, o programa de merenda escolar conta, igualmente, com os apoios do Fundo das Nações Unidas para Infância, do Fundo das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação e de empresários locais. A  introdução na merenda escolar de alimentos produzidos no país, em particular na região, além de garantir a melhoria nos níveis de aprendizagem por parte dos alunos, vai permitir que os empresários locais participem de forma activa no processo, segundo o director da Educação.

Tempo

Multimédia