Províncias

Milhares de famílias no Bié melhoram condições de vida

Mais de 17 mil casas foram construídas, entre 2013 e 2017, na província do Bié, no âmbito da autoconstrução dirigida, o que ajudou a melhorar as condições de habitabilidade da população local, revelou ontem, no Cuito, o vice-governador para a esfera Técnica e Infra-estruturas.

José Fernando Tchatuvela disse que as residências foram construídas nos municípios do Cuito, Chitembo, Chinguar, Camacupa, Cunhinga, Catabola, Nhârea, Andulo e Cuemba.
Para propiciar qualidade de vida aceitável aos habitantes, o vice-governador provincial disse que foram colocados serviços como energia eléctrica, água potável e saneamento básico.
José Fernando Tchatuvela reforçou o apelo aos cidadãos para se dirigirem às administrações municipais, a fim de obterem terrenos para auto-construção dirigida, evitando a ocupação ilegal de parcelas de terra.
Quanto à comercialização de casas nas centralidades do Cuito e do Andulo, cujo programa foi apresentado à população local, numa cerimónia orientada pelo governador Boavida Neto, o vice José Fernando Tchatuvela sublinhou que 1.391 residências vão ser reservadas para funcionários públicos e 1.393 para o público em geral. O vice-governador disse que os apartamentos vão ser vendidos através dos modelos de renda resolúvel, arrendamento e pronto pagamento. “O arrendamento fica no valor de 12 mil kwanzas por mês, a renda resolúvel por 39 mil, ao passo que, para compra, o cidadão deve pagar 50 por cento do valor, numa primeira fase.”
José Fernando Tchatuvela afirmou ainda que os apartamentos estão orçados em 12 milhões de kwanzas, para serem pagos num prazo de 25 anos, tendo salientado que o morador vai responsabilizar-se pelas taxas de saneamento, energia eléctrica e água potável, entre outros serviços prestados no projecto.

Lisura do processo

O governador provincial do Bié, Boavida Neto, reafirmou que o governo local vai primar pela lisura e transparência na comercialização dos apartamentos das centralidades do Cuito e do Andulo.
“O Governo pretende atingir a justiça social, por isso, as autoridades não vão permitir a entrega de casas para cidadãos que já possuem este bem”, esclareceu Boavida Neto.
Para tal, o governador avançou que criou uma equipa de fiscalização, através do sector Técnico e Infra-estruturas e das Obras Públicas e Urbanismo, em parceria com a Kora Angola, para se evitar anomalias durante a comercialização de residências. Bié conta com  1.455.255 habitantes, sendo que 763.632 são do sexo feminino.

Tempo

Multimédia