Províncias

Mulheres chefes de família recebem apoios no Bié

Afonso Belo | Cuito

Mais de 140 mulheres chefes de família e seus dependente, regressados dos campos de refugiados de países vizinhos e deslocados internos que escolheram o Andulo para se fixar, receberam diversos meios para o fomento da agricultura, orçados em 112.150 dólares.

Foram entregues diversos meios para o fomento da agricultura na província do Bié
Fotografia: Francisco Bernardo

Mais de 140 mulheres chefes de família e seus dependente, regressados dos campos de refugiados de países vizinhos e deslocados internos que escolheram o Andulo para se fixar, receberam diversos meios para o fomento da agricultura, orçados em 112.150 dólares.
Do referido valor, 85.605 dólares foram financiados pelo Governo do Japão e 26.545 pela Associação Samuel Brace Coles, cabendo ao Governo angolano o fornecimento de sementes, fertilizantes e assistência técnica.
Segundo o relatório da Associação Samuel Brace Coles, o projecto tem vindo a ser implementado na sede do município do Andulo e na comuna de Chivaúlo desde 2009, com vista ao desenvolvimento de agricultura sustentável, para mulheres dos campos de refugiados e deslocados internos.
O documento refere que durante a implementação do projecto agrícola foram organizadas cooperativas de camponesas, foi dada formação aos seus membros e distribuídas parcelas de terra a mulheres chefes de família, viúvas e órfãos.
A criação de pequenas indústrias, alfabetização e educação para a saúde preventiva, o associativismo e o cooperativismo foram, entre outras, actividades realizadas nas localidades abrangidas pelo projecto.
O relatório refere ainda que durante a implementação do projecto, cada membro da associação ou cooperativa recebeu enxadas, catanas, sementes de milho, feijão, ginguba, batata rena e hortícolas diversos e foram lavrados um total de 69 hectares de terra.
 
 Fórum da mulher rural 
 
Entretanto, a direcção provincial da Família e Promoção da Mulher promoveu, na segunda-feira, no Cuito, o VI Fórum Provincial da Mulher Rural, para analisar o estado de evolução da micro-finança, no período 2008/2010.
O encontro teve ainda como objectivo a preparação do VI Fórum Nacional da Mulher Rural, a realizar-se em Outubro de 2011, visando a abordagem de temáticas sobre questões de apoderamento da mulher e desenvolvimento local, bem como a conclusão das discussões e recolha de contribuições no âmbito da proposta do plano de acção nacional.
O estado de evolução da micro-finança no período 2008/2010 a nível da província, o número de beneficiários agregados por sexo, avaliação do impacto a nível das comunidades e perspectivas, de forma a que a província represente condignamente as mulheres rurais locais no referido fórum, foram outras questões abordadas na reunião.
No encontro, que se realizou sob o lema “Investir na mulher rural, para desenvolver as suas comunidades”, os participantes debruçaram-se sobre questões de género, associativismo e participação da mulher rural, os valores culturais e a promoção da igualdade de género.
“O acesso aos serviços sociais básicos”, “A educação, saúde reprodutiva, água e saneamento”, “O acesso aos recursos, terra e tecnologias”, “Crédito e microcrédito”, “Produção, comercialização e transformação”, “Produção agrícola familiar”, “Perspectivas de transportação e conservação”, constam dos temas debatidos no encontro. Os participantes recomendaram ao governo da província a criação de uma estrutura que possa acompanhar tanto a criação como o desenvolvimento de associações onde as mulheres possam ser inseridas.
O aumento do rendimento familiar, acesso ao crédito à população de baixo rendimento, a promoção da inserção social e económica rentável sustentável sem exclusões e o melhoramento das vias para o escoamento de produtos do campo para a cidade são também recomendações saídas do VI fórum, promovido pela direcção provincial da DIFAMU, no Bié.

Tempo

Multimédia