Províncias

Municípios vão ter mais professores

Delfina Victorino | Cuito

Os municípios de Kamacupa, Cuito, Andulo e Chinguar são os prioritários relativamente à admissão de novos candidatos a professores do ensino primário do sexto escalão, afirmou o director provincial da Educação do Bié, Basílio Caetano.

O sector da Educação vai recrutar novos candidatos a professores do ensino primário
Fotografia: Jornal de Angola

Os municípios de Kamacupa, Cuito, Andulo e Chinguar são os prioritários relativamente à admissão de novos candidatos a professores do ensino primário do sexto escalão, afirmou o director provincial da Educação do Bié, Basílio Caetano.
De acordo com o responsável do sector, existem 976 vagas distribuídas em várias categorias, mas considerou este número insuficiente, tendo em conta a escassez de professores no interior dos municípios. Neste ano lectivo, foram inseridos no sistema de ensino 672 alunos, continuando a deixar fora do sistema centenas de alunos.
Para garantir a qualidade de ensino nas escolas a nível das comunidades, o sector vai realizar seminários de formação pedagógica aos professores recentemente enquadrados.
O director da Educação afirmou que o governo provincial reabilitou, no princípio do ano lectivo, mais quatro escolas do ensino primário e secundário, com 12 e 24 salas, respectivamente. Está igualmente programada a construção de fontanários nos arredores das escolas para garantir o abastecimento de água potável aos alunos.
Por outro lado, Basílio Caetano assegurou que o governo da província do Bié vai continuar a melhorar as condições de vida da população estudantil em todos os aspectos.
Recentemente, o governador provincial do Bié, Álvaro Boavida Neto, inaugurou escolas nos bairros do Catemo, Hoji Ya Henda e na sede municipal do Cuito.
  /> Município do Andulo com mais uma escola
 
A administradora municipal do Andulo, Maria Lúcia Ganja Chicapa, inaugurou na passada sexta-feira uma escola do ensino primário, no bairro Silva, no âmbito das comemorações do 4 de Fevereiro, início da luta de libertação nacional.
A escola possui seis salas, um gabinete para o director e um quarto de banho. A infra-estrutura, orçada em 34 mil dólares, foi financiada pela ONG Care Internacional e construída por 50 jovens que frequentam o curso de formação profissional no projecto Horizonte do Andulo.  O apetrechamento foi feito pela administração municipal no âmbito do programa de desenvolvimento social. Os alunos mostraram-se satisfeitos por passarem a dispor de uma nova escola apetrechada com carteiras e prometeram “conservar o estabelecimento de ensino”.
A administradora municipal pediu aos alunos que preservem a estrutura, porque “é um bem público e vai beneficiar os membros da comunidades”.
A responsável admitiu existir, ainda, falta de salas, para suprimir o número de alunos que se encontram a estudar ao ar livre. Nesse sentido, sublinhou que a sua administração vai continuar a trabalhar na construção de empreendimentos sociais juntamente com os seus parceiros.
                                   Com Angop (*)

Tempo

Multimédia