Províncias

Obras da mediateca quase concluídas

José Chaves | Cuito

As obras da Mediateca do Cuito, na província do Bié, estão quase concluídas e a entrega à Rede de Mediatecas de Angola acontece dentro de dias, anunciou sexta-feira ao Jornal de Angola o encarregado da empreitada, Luís Fernandes.

Parte frontal da Mediateca do Cuito cujas obras decorrem em ritmo acelerado para facilitar os trabalhos de pesquisa dos munícipes
Fotografia: José Chaves | Bié

O edifício está a ser erguido junto ao largo das escolas pela empreiteira angolana Omatapalo, numa área de 2.620 metros quadrados. A execução dos trabalhos decorre sem sobressaltos e dentro dos prazos acordados com a Rede Nacional de Mediatecas de Angola, fez saber o responsável pela obra.
Cerca de 90 por cento dos trabalhos, que abrangem o bloco das salas de conferência, reuniões e estudos, servidores, espaço de exposição e área de serviços, ficam concluídos no próximo dia 31.
Os outros compartimentos, como a área administrativa, logística, armazenamento, multimédia e bibliotecas, estão praticamente concluídas, garantiu Luís Fernandes.
A dinâmica e o empenho dos 40 trabalhadores levam o encarregado de obras a acreditar que o edifício fica concluído até ao final do mês. A mediateca vai comportar seis zonas distintas, para garantir serviços de qualidade aos utentes.
O espaço vai contar ainda com uma bibliotecas para crianças, de modo a estimular o hábito de leitura, bem como salas de actividades com idosos e pessoas com deficiência física. A mediateca foi concebida para proporcionar uma variada gama de serviços à população, desde multimédia, cyber café, salas de conferências a áreas de lazer. A obra consta de um projecto da responsabilidade da Rede Nacional de Mediatecas, que tem já em funcionamento instalações do género nas províncias de Benguela, Huíla, Huambo, Zaire e Luanda. />As mediatecas vão estar conectadas por Internet em banda larga, para facilitar o acesso à base de dados, onde os estudantes e outros utentes do serviços podem armazenar e baixar documentos de interesse científico, cultural e não só, realçou o coordenador nacional, Pedro Teta, no acto de lançamento da primeira pedra, há dois anos. O programa de construção da Rede de Mediatecas de Angola (REMA) foi lançado pelo Presidente da República a 11 de Novembro de 2010. Já existe em vários países de língua oficial portuguesa e constitui uma ferramenta essencial para o desenvolvimento do ensino, facilitando o acesso de estudantes do ensino médio e superior à literatura e investigação científica.
A Rede de Mediatecas surge como resposta à necessidade de acompanhar o avanço da sociedade de informação, através da implantação de estruturas divididas em núcleos específicos: fonoteca, videoteca, imagioteca, testoteca e arquivos electrónicos.  O usuário pode aceder aos mais variados conteúdos informativos e pelos mais diversificados meios, através de equipamentos informáticos, audiovisuais e acústicos, tais como ecrãs de visualização de vídeos, CD e DVD, locais de audição de CD e computadores. Além da diversificação dos meios de comunicação, as Mediatecas também desenvolvem actividades culturais, respondendo de forma mais abrangente à ideia de uma biblioteca aberta.

Tempo

Multimédia