Províncias

Obras mudam a imagem do Andulo

José Chaves |Andulo

O município do Andulo, 130 quilómetros a norte da cidade do Cuito, província do BIÉ, está a transformar-se num verdadeiro “canteiro de obras” em todos os sectores socioeconómicos, garantiu ontem ao Jornal de Angola a administradora local, Maria Lúcia Chicapa.

O município do Andulo, 130 quilómetros a norte da cidade do Cuito, província do BIÉ, está a transformar-se num verdadeiro “canteiro de obras” em todos os sectores socioeconómicos, garantiu ontem ao Jornal de Angola a administradora local, Maria Lúcia Chicapa.
Lúcia Chicapa apontou a recuperação de estradas, pontes, construção de escolas, postos de saúde, a aplicação do programa do Executivo denominado “Água Para todos”, como os marcos principais do programa de desenvolvimento do seu município.
“Estamos a dar especial atenção às acções que visam combater a fome e pobreza no seio da população e hoje a vida dos munícipes tende a melhorar”, disse a administradora municipal, notando que esse esforço conta com a colaboração dos agentes económicos.
Referiu que ao completar 40 anos, a vila do Andulo vai contar com mais três escolas, com quatro salas cada, construídas de raiz, enquanto o hospital da Missão de Chicumbi, com capacidade para 60 camas, foi reinaugurado, depois do seu apetrechamento com equipamento de ponta.
Também no Chicumbi, um novo sistema de iluminação pública, com 14 postos e um gerador de 50 KVA, e um ponto de água, com capacidade para bombear dois mil litros cúbicos, foram instalados. A vila ganhou igualmente um Centro infanto-comunitário, destinado à educação de primeira infância e cinco pontos de água, abertos na comuna de Chivaúlo.   
Lúcia Chicapa disse que o desenvolvimento do Andulo passa também pela melhoria das estradas, para permitir a passagem de material de construção das escolas, postos de saúde e outras infra-estruturas sociais, dinamizar a agricultura e facilitar a livre circulação de pessoas e bens em toda a extensão desta região.
“Neste momento, o acesso à comuna de Calussinga está facilitada, porque o troço foi asfaltado em 2010, o que permite a ligação do Andulo com as províncias de Malange e Kwanza-Sul. A estrada para Chivaúlo já foi terraplenada e nesta altura decorre o mesmo trabalho no troço Andulo/Cassumbi”, revelou Lúcia Chicapa.


Educação e Saúde


Nas áreas da educação e ensino, a administradora disse que Andulo está a “dar passos”, com o funcionamento de institutos de professores, agrário e escola do II ciclo do ensino secundário. “Apesar desses avanços, temos 29 mil crianças fora do ensino”, reconheceu a administradora, sublinhando que o seu município conta com 208 escolas e 1.600 professores, para 92 mil alunos matriculados em todos os subsistemas de ensino. O município é servido por hospital municipal, dois hospitais missionários, um centro materno-infantil, dois centros de saúde, 18 postos de saúde e 16 farmácias.


Agricultura e energia


Lúcia Chicapa afirmou que 23 cooperativas e associações de camponeses do município do Andulo receberam meios para o fomento da produção agrícola, avaliados em mais de 200 milhões de kwanzas, no quadro do programa de crédito agrícola de campanha. “Estas políticas vão, obviamente, dinamizar e desenvolver o sector agrícola no Andulo”, disse, numa referência ao programa do Executivo de combate à fome e pobreza.
A responsável recordou que sobre o rio Cutato vai ser construída uma mini-hídrica, com capacidade para gerar três MW. A barragem vai ter quatro metros de altura e a albufeira uma extensão de seis quilómetros. Para o acesso à barragem vai ser aberta uma estrada com 31 quilómetros. A linha de distribuição de energia, com 46 quilómetros, é paralela à estrada e liga a central hidroeléctrica à cidade do Andulo, servindo as localidades de Muenga e Chicumbi.
Os custos globais deste projecto estão avaliados em 50 milhões de dólares, um financiamento do governo japonês. Ainda para este ano, decorrem acções de reabilitação e distribuição de energia eléctrica pública e domiciliar, acrescentou Lúcia Chicapa.

Tempo

Multimédia