Províncias

Perfil educativo dos filhos em debate

Venáncio Víctor | Malanje

A Rede de Pais para a Mudança em Malanje, está a desenvolver esforços para a criação de um modelo mais personalizado, actualizado e concreto de educação dos filhos, assegurou o presidente da organização.

O reverendo Luís Neto, que falava no quadro do 19 de Março, data consagrada ao pai, disse que o modelo contribui de forma organizada e interventiva na moralização das famílias e da sociedade, permitindo identificar pais exemplares e estimulando-os.
Luís Neto apontou os problemas relacionados com a fuga à paternidade, falta de mesadas, consumo excessivo de bebidas alcoólicas e as drogas, principalmente nos jovens, como factores que concorrem para o desrespeito e desestruturação de muitos lares.
O aumento do número de doentes mentais nas ruas, os matrimónios precoces, violações, vandalização dos bens públicos e a sinistralidade rodoviária são elementos que estão na base da falta de educação dos filhos. O pastor Luís Neto disse que os problemas foram identificados e acompanhados pela rede, durante o ano passado e que devem merecer o repúdio da sociedade.
O reverendo referiu que a Rede de Pais para a Mudança em Malanje vai trabalhar em conjunto com a direcção da Família e Promoção da Mulher para a resolução dos conflitos nos lares. Consta igualmente da lista de acções, a participação em debates e colóquios visando contribuir para a reestruturação e harmonia das famílias, a extensão de actividades de sensibilização em vários municípios da província de Malanje, com realce para Calandula, Cacuso e Cangandala.
Luís Neto disse que a restauração do papel do pai na família constitui um dos grandes desafios do governo, pata que estas sejam responsáveis pela educação dos filhos e possam assumir o seu papel paternal. Dados do centro de aconselhamento da Direcção Provincial da Família e Promoção da Mulher em Malanje indicam que foram registados, no ano passado, 591 casos de fuga à paternidade e de falta de mesada, dos quais 135 estão a ser resolvidos pelo Ministério Público.

Tempo

Multimédia