Províncias

Província tem grande falta de associações filantrópicas

Delfina Victorino | Cuito

O fraco empenho em associações filantrópicas por parte dos empresários locais tem preocupado as entidades governamentais da província do Bié, disse ao Jornal de Angola, no Cuito, o director do lar dos idosos Elavoco ly omuenho.

Vista parcial da capital da província do Bié
Fotografia: Edson Fabrizio | Bié

Caridade Massoli disse que as igrejas e algumas instituições governamentais são os principais parceiros da instituição que dirige, que têm dado apoios ao lar, sobretudo em géneros alimentares.
Mais de cem crianças da Igreja Adventista do Sétimo Dia no Bié e a Fundação Fundanga promoveram recentemente um ambiente de confraternização com os idosos e doaram alguns bens alimentares.
“O empresariado bieno está distante das actividades relacionadas com a caridade. Por isso, apelamos a uma maior intervenção destes, no sentido de atenuar as dificuldades com que se confrontam estes centros sociais”, disse. “A questão que mais  nos preocupa prende-se com a falta de um fisioterapeuta, tendo em conta os problemas de reumatismo de muitos idosos”, explicou. Quanto à integração dos idosos no lar, existe uma estreita relação com as administrações municipais, com o objectivo de avaliar a situação comportamental dos mesmos.
Os municípios do Cuemba, Andulo e do Chinguar são os principais colaboradores no que se refere à localização e recolha de idosos desamparados, que residem em situações precárias.
De acordo ainda com o director do lar Elavoco ly omuenho, a parceria existente com diversas direcções ministeriais tem ajudado a solucionar os problemas que afligem os idosos no estabelecimento que dirige.

Tempo

Multimédia