Províncias

Ravinas cortam vias na cidade do Cuito

Delfina Victorino| Cuito

A propagação de ravinas na cidade do Cuito, Bié, está a cortar a circulação de vários troços da urbe. Nesse sentido, as existentes nas zonas do Cangangawe, Fátima, Boavista, Santo-António e Cantiflas são as que mais preocupam as autoridades.

Situação das ravinas no Bié preocupa as autoridaes locais
Fotografia: Eduardo Cunha| Edições de Novembro

O director provincial das Obras Públicas de Bié, Salomão Pascoal, considerou preocupante a situação actual das ravinas nestas localidades tendo em conta a segurança da população. O governante focou ainda o caso da que está a propagar-se na estrada nacional 250, que liga a capital biena ao município do Cuemba, leste da província.
Salomão Pascoal sublinhou que os trabalhos paliativos feito pelo Governo do Bié “não garantem total segurança nas vias degradadas pelas ravinas”.
O responsável das Obras Públicas lembrou que o Executivo, através do Ministério da Construção, está a realizar estudos debelar o problema. Salomão Pascoal esclareceu que a recuperação da estrada nacional 240 consta da prioridades do Governo.
De momento, o comboio tem sido a via alternativa para a transição de pessoas e bens no troço entre o Cuito e o Cuemba, um município circunscrito ao corredor leste da região.
Além do Cuito e do Cuemba, Nharea, Cunhinga e o Chitembo são outros municípios onde ocorre a propagação de ravinas.
O secretário de estado da Construção, Molares de Abril, aquando da visita de trabalho efectuada à província do Bié, na semana finda, disse estarem a envidar-se esforço para superar a situação das ravinas na circunscrição.
O governante assegurou que a situada no troço que liga a sede capital do Bié à comuna do Cunje vai intervencionada por um empreiteiro que foi indigitado para trabalhar neste ponto do país.

Tempo

Multimédia