Províncias

Reclusos da comarca geral do Cuito em formação técnico-profissional

Afonso Belo e José Chaves | Cuito

Professores do INEFOP (Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional) promovem um curso de formação técnico-profissional nas áreas de electricidade, alvenaria e canalização, frequentado por 49 reclusos da comarca do Cuito, província do Bié.

Professores do INEFOP (Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional) promovem um curso de formação técnico-profissional nas áreas de electricidade, alvenaria e canalização, frequentado por 49 reclusos da comarca do Cuito, província do Bié.
O responsável dos recursos humanos da comarca do Cuito, Barnabé Chilunlu, disse que o curso visa garantir a formação profissional dos jovens e adultos actualmente a cumprirem penas ou em situação de prisão preventiva, para facilitar a sua inserção ou reinserção no mercado de emprego após saída da cadeia.
Barnabé Chilunlu disse que a formação em diferentes áreas de actividade é de carácter voluntário e extensiva a todos os interessados.
Com vista a consciencializar a mudança de atitudes e comportamentos por parte de jovens depois das suas penas cumpridas, a direcção da comarca tem realizado um ciclo de palestras sobre o resgate de valores cívicos e morais, salientou.
A cadeia do Cuito controla 621 reclusos, na sua maioria jovens com idades compreendidas entre os 18 e 35 anos, com 325 processos em fase judicial.

Andulo acolheu workshop

O município do Andulo, que dista 130 quilómetros a norte da cidade do Cuito, capital da província do Bié, acolheu entre quinta e sexta-feira últimas um workshop de troca de experiências entre as unidades técnicas municipais do Bié e de Malange, em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).
A coordenadora da referida agência das Nações Unidas em Angola, Maria Villa Ribeiro, apelou aos administradores dos municípios e responsáveis das equipas técnicas municipais de combate à pobreza, no sentido de se engajarem no intercâmbio sobre troca de experiência entre as equipas.
Este intercâmbio, na visão da responsável, contribui para dar um rápido crescimento nos programas gizados pelo Executivo.
Ao falar no acto de abertura do primeiro workshop sobre troca de experiências entre as equipas técnicas municipais de combate à pobreza das províncias de Malange e Bié, Maria Villa Ribeiro disse que o evento ajuda a dotar os participantes de conhecimentos, proporcionando melhores condições de dar respostas às principais dificuldades que inquietam as populações.
A funcionária das Nações Unidas salientou que a realização deste evento no Andulo vai proporcionar um intercâmbio entre os administradores e as equipas de Unidades Técnicas Municipais de Combate à Pobreza e bases para as estratégias de combate à pobreza que o Executivo gizou.
O vice-governador para a área técnica e infra-estruturas, Andrade Adolfo, afirmou que o Executivo está plenamente consciente de que para obter sucesso precisa de possuir instituições fortes, ­credíveis e eficientes, de modo que as políticas e os planos definidos sejam aplicados.
A administradora municipal do Andulo, Maria Lúcia Chicapa, disse que o referido encontro facilita a partilha de experiência entre as diferentes unidades técnicas municipais.
Lúcia Chicapa afirmou também que o Andulo está a emergir das cinzas da guerra que assolou o país inteiro, em particular o município.
Durante dois dias, os participantes discutiram os temas relacionados com experiência local sobre governação participativa e o papel das Unidades Técnicas Municipais e seus projectos e experiência sobre desenvolvimento económico, entre outros.

Tempo

Multimédia