Províncias

Sector da Educação no Bié foi avaliado

João Constantino | Cuito

O funcionamento do sector da Educação do Bié foi avaliado pelo secretário de Estado para o Ensino Pré-Escolar e Ensino Geral, Pacheco Francisco, que visitou a província para ajudar a criar as condições para acolher a abertura nacional do ano lectivo 2020, onde serão enquadrados mais de 12 mil novos alunos, em 144 novas salas de aula a serem construídas até Janeiro de 2020.

Mais crianças da província do Bié vão aprender a ler e escrever
Fotografia: João Constantino | Edições Novembro | Cuito

O secretário de Estado da Educação para o Ensino Pré-Escolar e Ensino Geral, Pacheco Francisco, visitou durante 48 horas várias instituições escolares da província do Bié. No Cuito, o secretário de Estado anunciou a construção de mais 144 salas de aula, com previsão de conclusão em Janeiro de 2020, para facilitar o enquadramento de novos alunos. 

“As novas salas vão beneficiar os alunos que estudam em condições precárias e colocá-los em turmas condignas”, disse. Pacheco Francisco manteve contacto com o director do Gabinete Provincial da Educação, Ciência e Tecnologia, António Manuel, de quem recebeu informações sobre o sector. Depois visitou, na companhia do vice-governador Carlos da Silva, o Magistério Primário, com 24 salas de aula, com as obras paralisadas, assim como as obras da futura escola de música.
Constatou ainda o grau de execução das obras das escolas dos bairros Caluco e Ndjele, com 12 salas cada, iniciadas em 2018 e Março deste ano.
Quanto à contratação de novos professores, Pacheco Francisco disse que será em função das vagas existentes, pois a inserção de 12 mil crianças, que serão enquadradas pela primeira vez no sistema de ensino, vai exigir mais professores.
O vice-governador Carlos da Silva disse que a visita do secretário de Estado visou preparar as condições para a abertura do ano lectivo 2020 na província do Bié e avaliar as obras de várias escolas, em curso na região.
O secretário de Estado visitou também os municípios do Andulo e da Nharêa.

Tempo

Multimédia