Províncias

Técnicos apresentam ideias para reforçar sector na região

Matias da Costa| Cuito

Profissionais de enfermagem, afectos à Ordem dos Enfermeiros de Angola (ORDENFA), defenderam ontem a humanização, proximidade e a capacitação permanente como eixos para fortalecer o sistema de saúde no país.

Reunidos no Cuito, na oitava jornada técnica científica de enfermagem, os enfermeiros manifestaram a necessidade de redimensionar os serviços e tornar robusta a assistência em zonas recônditas e críticas, com vista a reduzir as grandes endemias.
Na abertura do evento, o vice-governador da província do Bié para o sector Político e Social, Carlos da Silva, felicitou os enfermeiros pelo desempenho da sua missão profissional.
O governante reafirmou que a prestação de assistência médica e medicamentosa faz parte das prioridades do Governo do Bié.
Carlos da Silva disse também que, no quadro do programa de desenvolvimento rural, está garantida a qualidade dos cuidados primários de saúde, através da “municipalização” dos serviços, que permite o alargamento da rede e proximidade destes à população.
O vice-governador do Bié fez referência ao momento económico menos bom do país que está a reflectir-se de forma negativa na administração pública e na sociedade em geral, e apelou aos profissionais da saúde a continuarem a envidar esforços para mitigar os efeitos do quadro sanitário da região e devolver a tranquilidade e bem-estar às comunidades.
Carlos da Silva reiterou, por outro lado, a disponibilidade financeira do Tesouro Nacional, embora em proporções reduzidas, e reforçou o pedido do empenho dos funcionários públicos e outros trabalhadores face ao contexto económico e financeiro que o país enfrenta.
Quadro sanitário
As 174 unidades sanitárias da província do Bié internaram, no primeiro trimestre de 2016, 21.777 doentes, dos quais 317 faleceram em menos de 24 horas e outros 401 depois de um dia.
O director da Saúde no Bié, João Campos, revelou que as doenças respiratórias agudas causaram neste período 201 óbitos, enquanto a malária provocou 137 mortes. Entre Janeiro deste ano e 14 de Abril foram notificados 13 casos, com um saldo de dez mortes.
João Campos realçou a redução de casos de má nutrição e tuberculose na província do Bié e sublinhou que o sector de Saúde Pública continua a desenvolver acções de sensibilização e de aconselhamento ­sobre doenças correntes.

Tempo

Multimédia