Províncias

Técnicos sanitários do Bié preocupados com a malária

Delfina Vitorino | Kuito

Na província do Bié foram notificadas no ano passado 454 mortes por malária dos 273.433 casos registados, informou ontem o director provincial da Saúde Pública, Inoque Chavala.

A par das campanhas de sensibilização estão a ser distribuídos mosquiteiros
Fotografia: Jornal de Angola

Na província do Bié foram notificadas no ano passado 454 mortes por malária dos 273.433 casos registados, informou ontem o director provincial da Saúde Pública, Inoque Chavala.
O método de pulverização em locais com charcos de água e a luta anti-larvar, que é um programa desenvolvido por equipas cubanas e angolanas, permitiram diminuir o número de doentes por malária.
Inoque Chavala disse que, actualmente, o sistema de pulverização está a ser realizado nas casas através de reservatórios de água. Referiu que o município da Nharea é o único que ainda não beneficia deste projecto.
O director provincial da Saúde Pública precisou que foram distribuídos 103 mil mosquiteiros em 2009 às mulheres grávidas e crianças menores de cinco anos, por ser uma aposta para a redução da malária.  Em relação ao sarampo, informou que 712 casos, entre os quais 17 óbitos, foram registados nas crianças e adolescentes, durante o ano passado, mas tem havido uma redução de casos. Três a quatro casos semanais é o número registado desde o final do ano transacto.
Inoque Chavala sublinhou que estão a ser realizadas campanhas sucessivas de sensibilização para o bloqueio em áreas com maior número de casos e foi intensificado um trabalho no sentido de prevenir a doença nas crianças internadas por outras doenças.
O director provincial da Saúde Pública garantiu que, actualmente, há uma diminuição de pacientes com sarampo, devido à vacinação a crianças menores de seis meses. Explicou que muitos casos são derivados da negligência dos encarregados de educação, que se recusam a levar as crianças aos postos e centros materno-infantis.  O município do Kuito liderou os casos de sarampo enquanto nas localidades de Camacupa e Andulo houve redução da doença.

Tempo

Multimédia