Províncias

Aberto em Cabinda centro de análises

Leonor Mabiala | Cabinda

Um novo centro de análises clínicas para o diagnóstico e tratamento de doentes que padecem de insuficiência renal foi inaugurado ontem, em Cabinda, no âmbito das celebrações do Dia Mundial do Rim, assinalado ontem. A vice-governadora Aldina da Lomba disse que o tratamento vai ser subvencionado pelo Governo. Até ao momento, as autoridades sanitárias da província diagnosticaram mais de cem casos.

Clínica tem uma gestão privada e vai trabalhar em parceria com a secretaria da saúde
Fotografia: José Soares|Cabinda

A província de Cabinda dispõe, desde ontem, de um novo centro de análises clínicas que passará doravante a diagnosticar e tratar doentes que padecem de insuficiência renal.
O empreendimento, denominado Centro de Diagnóstico e Aprendizagem de Análises Clínicas (CDAAC) foi inaugurado pela vice-governadora provincial de Cabinda para a área social e política, Aldina Matilde da Lomba, no quadro das celebrações do Dia Mundial do Rim, assinalado ontem.
A clínica ora inaugurada, com carácter filantrópico, tem uma gestão privada e vai trabalhar em parceria com as estruturas da Secretaria Provincial da Saúde do governo local no combate às doenças crónicas, como a sida, diabetes, hipertensão arterial, falciformação, entre outras.
A nova clínica, localizada na rua Jaime Banozol, vai funcionar 24 sobre 24 horas e comporta uma área administrativa, internamento com capacidade para 15 camas, raio X, ecografia, electrocardiograma, laboratório para análises clínicas, hematologia, bioquímica, imunologia, parasitologia, anatomia patológica, biopsia renal e farmácia.
Ao intervir na cerimónia, a vice-governadora de Cabinda para a área social e política anunciou para os próximos dias o lançamento da primeira pedra para a construção de clínicas de hemodiálise destinadas ao tratamento de doenças renais, no quadro do programa do Executivo central, que escolheu cinco províncias para instalação das referidas infra-estruturas.
Segundo Aldina Matilde da Lomba, Cabinda é uma das cinco províncias do país escolhidas pelo Executivo para instalar a clínica e anunciou a chegada para breve, à região, de uma equipa para iniciar os trabalhos de implementação do projecto, que deverá entrar em funcionamento no princípio de 2012.
“O tratamento da doença renal é muito dispendioso para o cidadão, que não consegue por meios próprios suportá-lo por falta de capacidade financeira. Daí que o papel social do Estado intervém para criar estas clínicas, onde os tratamentos serão subvencionados pelo Governo”.   

Rastreio detecta casos
 
O centro de diagnóstico e aprendizagem de análises clínicas registou 140 pessoas com doença renal, das 2.400 que fizeram o rastreio entre os dias 9 e 10, no âmbito do Dia Mundial do Rim. Segundo o seu director clínico, Alcino Melo, a doença renal é uma enfermidade silenciosa, devido à ausência de sintomas que possam permitir com facilidade o seu diagnóstico.
Falando ontem, no acto que assinalou o dia, aquele responsável esclareceu que existem pessoas que padecem da referida patologia sem, no entanto, o saberem, tendo por isso aconselhado as pessoas a realizarem regularmente consultas de prevenção.
A doença renal, explicou, afecta o funcionamento normal dos rins, órgãos que têm a função de eliminar todas as substâncias impróprias do organismo.
“Trata-se de uma fase em que o rim perde a capacidade do seu funcionamento e o organismo começa a reter tais resíduos, causando prejuízos ao organismo e dando assim lugar à insuficiência renal crónica”, sublinhou.
O director do CDAAC referiu que a hipertensão, a diabetes, a sida, a malária, a falciformação, a sistomíase, assim como outras doenças ligadas ao sangue que afectam o rim, são as principais causas do surgimento da insuficiência renal crónica.
Explicou que existem dois tipos de insuficiência renal, sendo uma aguda e outra crónica. A diferença entre elas é que quando a aguda não for bem tratada evolui para a crónica.
A presença de sangue na urina, urinar menos do que o normal, devido à dilatação da próstata nos homens, pés inchados são os principais sinais de doença renal.       

Tempo

Multimédia