Províncias

Agentes comunitários no combate a doenças

Bernardo Capita | Cabinda

O sector da Saúde no município do Buco Zau conta, desde terça-feira, com 126 agentes comunitários recentemente formados, que passam a dedicar-se ao diagnóstico e sensibilização das comunidades de várias aldeias sobre as doenças mais frequentes e medidas de prevenção.

A acção formativa dos agentes comunitários de saúde durou três meses e insere-se no programa nacional “aldeia saudável”, sob os auspícios do Ministério da Administração do Território e da Comissão Nacional de Combate à Pobreza.
Foram abordados, entre outros, temas ligados às doenças mais frequentes, saneamento básico e suporte básico de vida.
A governadora provincial de Cabinda, Aldina da Lomba, afirmou, na cerimónia de enceramento da acção formativa e de entrega de certificados aos formandos, que “o agente comunitário de saúde é um lutador incansável”, daí que deva empenhar-se cada vez mais em orientar palestras sobre a prevenção de doenças, como a cólera, malária, diarreia aguda, doenças respiratórias agudas e de transmissão sexual.

Campanhas de vacinação />
A prevenção do VIH/Sida, cancro da mama e do colo do útero, além da participação activa nas campanhas de vacinação e de desparasitação de crianças, são, para a governadora, doenças e acções que devem merecer atenção especial por parte dos agentes comunitários de saúde.
Para Aldina da Lomba, a iniciativa da Administração Municipal de Buco Zau em ser a primeira municipalidade da província a formar agentes comunitários de saúde deve ser seguida por mais municípios, para permitir uma assistência médica mais abrangente junto das comunidades. Para facilitar o seu trabalho, os agentes comunitários de saúde receberam motorizadas, oferecidas pela Administração Municipal de Buco Zau.
Na província, refira-se, estão em curso diversas acções que visam baixar os índices de mortalidade nas comunidades.

Tempo

Multimédia