Províncias

Autoridades estudam mecanismos para escoar os produtos do campo

As autoridades da província de Cabinda estão a estudar mecanismos que permitam melhor escoamento dos produtos agrícolas de Buco Zau para a sede da província e outros pontos comerciais sem grandes custos para os camponeses.
 

Governo Provincial de Cabinda garante ajuda a camponses para o escoamento dos seus produtos para as cidades e mercados
Fotografia: Dombele Bernardo

As autoridades da província de Cabinda estão a estudar mecanismos que permitam melhor escoamento dos produtos agrícolas de Buco Zau para a sede da província e outros pontos comerciais sem grandes custos para os camponeses.
A administradora municipal, Marta Lelo, referiu que tudo está a ser feito para que o transporte de produtos do campo para a cidade de Cabinda e para a zona fronteiriça de Massabi se processe sem grandes gastos para os agricultores. Marta Lelo, que falava sobre os benefícios da paz no país, afirmou que este tem sido um dos grandes problemas da administração, porque a produção aumentou muito e os agricultores têm encontrado grandes dificuldades para o seu escoamento.
A administradora de Buco Zau revelou que os camponeses têm alugado camiões, carrinhas e até mesmo táxis ligeiros para o transporte dos seus produtos para outros mercados da província, o que acarreta custos elevados. Os taxistas cobram por passageiro, no percurso entre Buco Zau e Cabinda, entre 500 a 1000 kwanzas. A carga é paga à parte. Isto, refere a administradora de Buco Zau, é oneroso para os camponeses. Marta Lelo disse que muito em breve o governo vai encontrar uma forma desses produtos chegarem com facilidade aos mercados da capital da província.
De acordo com a administradora, nos últimos tempos houve uma grande redução no volume de produtos escoados, devido a avarias nos autocarros que faziam carreiras inter-comunais e municipais. Há a um ano, o Ministério dos Transportes entregou à direcção da Empresa de Transportes Públicos (ETP), em Cabinda, mais de duas centenas de autocarros convencionais e não convencionais para passageiros e cargas, mas até agora estes meios não entraram em circulação. Dados colhidos pela Angop indicam que o custo de três bananas pão, um dos procurados mais procurados nos mercados da cidade de Cabinda, varia entre 300 a 400 kwanzas, quando ao nas aldeias ao longo do percurso entre Bichequete e Massabi e entre Bichequete e BucoZau um cacho é vendido a 400 ou 500 kwanzas.
No Buco Zau são produzidos produtos como banana, mandioca, batata-doce e inhame.

Tempo

Multimédia