Províncias

Cabinda carece de um hospital universitário

Bernardo Capita

A decana do Instituto Superior Politécnico de Cabinda defendeu a construção na província de um hospital universitário, para permitir que o processo de formação dos estudantes naquela instituição seja contemplado com aulas práticas e  se conclua com êxito.

Fotografia: EDIÇÕES NOVEMBRO

Justina Buca, que falava num encontro  no anfiteatro do Instituto Superior Politécnico,  no final da visita efectuada à instituição pelo governador provincial de Cabinda, Eugénio Laborinho, afirmou que a falta de um hospital universitário, com laboratórios devidamente equipados e centro psiquiátrico, tem  dificultado a formação prática  dos estudantes dos cursos de Análises Clínicas, Enfermagem e Psicologia Clínica, sobretudo em exercícios práticos e a investigação de algumas doenças tropicais.
Segundo a decana, a falta dessas condições força os estudantes a terem aulas práticas em hospitais públicos, onde nem sempre existem condições técnicas para aulas práticas.
“Temos que ter um hospital universitário, um espaço nosso onde os estudantes possam ter aulas práticas e desenvolverem actividade de investigação” sublinhou. O governador Eugénio Laborinho não deu garantias de solução imediata de tais  dificuldades, mas prometeu apenas resolver a questão que tem a ver com o material gastável, desde luvas, macas e tapa bocas.  O Instituto Superior Politécnico de Cabinda conta com 74 docentes, dos quais 46 estrangeiros de nacionalidade cubana.

Tempo

Multimédia