Províncias

Cabinda forma técnicos superiores

Leonor Mabiala | Cabinda

Um total de 213 licenciados em várias especialidades, formados pela Universidade 11 de Novembro, recebeu os seus diplomas de fim de curso, numa cerimónia presidida pela governadora Aldina da Lomba.

Vista parcial da cidade de Cabinda onde centenas de novos licenciados estão à disposição do mercado de trabalho desde o fim-de-semana
Fotografia: JAimagens

Aos novos licenciados em Direito (13), em Gestão de Empresas (36) e outros quadros saídos do Instituto Superior de Ciências de Educação (164), a governadora disse que o mercado de trabalho de Cabinda ficou mais rico.
Aldina da Lomba disse esperar dos novos quadros a aplicação dos conhecimentos adquiridos durante o longo período de formação, em prol do desenvolvimento da província e do país.
A governadora assegurou a disponibilidade do Governo Provincial em dedicar especial atenção às questões do sector de Ensino, particularmente ao nível superior, investindo na formação do homem, nas infra-estruturas e em meios adequados para a realização de tarefas.
O secretário do Ensino Superior para Supervisão, António André, apelou aos recém-licenciados para continuarem a pesquisar com base nos temas das suas monografias ou trabalhos de fim de curso, por estes constituírem novas produções científicas para o país.
“Não há desenvolvimento quando não há pesquisa e essa tarefa cabe aos finalistas que já têm elementos básicos para poderem realizar uma investigação, sendo que os resultados desta tarefa contribuem para o desenvolvimento do país”, disse.
O reitor da Universidade 11 de Novembro, Kianvu NTamo, referiu que a instituição está a contribuir na formação de quadros nacionais, na perspectiva global da estratégia de formação, definida pelo Executivo.
O crescimento económico em curso no país está a gerar emprego, mas carece ainda de mão-de-obra e de homens formados, disse. A realização do Censo Populacional e Habitacional, que se avizinha, vai possibilitar uma visão mais ampla sobre a necessidade de recursos humanos em Angola, concluiu.

Tempo

Multimédia