Províncias

Chuva causa danos no bairro 1º de Maio

Bernardo Capita | Cabinda

Moradores da zona C, no bairro 1º de Maio, em Cabinda, perderam a maior parte dos seus haveres, em consequência das fortes chuvas que se abateram na madruga de segunda-feira sobre a região.

Muitas casas foram destruídas pela chuva
Fotografia: Rafael Tati | Cabinda

Moradores da zona C, no bairro 1º de Maio, em Cabinda, perderam a maior parte dos seus haveres, em consequência das fortes chuvas que se abateram na madruga de segunda-feira sobre a região. Casas destruídas, campos agrícolas inundados, viaturas submersas, bens domésticos danificados era o cenário desolador que a nossa reportagem constatou na terça-feira.
A chuva, para além dos danos referidos, provocou grandes focos de lixo, arrastado dos bairros Comandante Gika, Madombolo e Chimpindi, localizados em zonas altas.
Com início cerca das quatro horas da madrugada de segunda-feira, também causou prejuízos nas obras de construção de uma rotunda, junto ao aeroporto local, que estão a ser executadas pela empresa Mota e Companhia.
Raimundo João Sebastião e Paulo Gengue Mababa, vítimas da enxurrada, disseram à nossa reportagem que não é a primeira vez que situações do género acontecem naquela localidade, desde que foi danificada a segunda manilha, que facilitava o escoamento com fluidez das águas.
“A comissão de bairro e a Administração Municipal já fizeram o levantamento da situação, mas lamentavelmente o problema ainda não foi resolvido”, disse o empresário 
Raimundo João Sebastião, cujo escritório foi inundado pela água das chuvas, que destruíram computadores e diverso material de uso corrente.
Uma equipa multi-sectorial do Governo Provincial, Administração Municipal de Cabinda e Serviços de Protecção Civil e Bombeiros, liderada pela vice-governadora para Área Política e Social, Aldina Matilde Barros da Lomba, deslocou-se na segunda-feira ao local, para fazer o levantamento da situação. 
Segundo o chefe do Centro de Documentação e Informação da Administração Municipal de Cabinda, Sefaty Matocou, identificou-se o desabamento de sete casas, cujas vítimas serão de imediato colocadas, provisoriamente, em tendas, no recinto onde funciona o estaleiro da Administração Municipal, no bairro Povo Grande.
“É um balanço provisório, porque na zona do Luvasa houve desabamento de casas, na rua das mangueiras, casas inundadas no Cabassango, Lombe, e em quase todas as áreas críticas da cidade se registaram danos”, disse Sefaty Matocou.
O chefe do Centro de Documentação e Informação da Administração Municipal de Cabinda pediu à população para deixar de construir junto das linhas de água e deitar lixo nas valas de drenagem, para que não se observem cenários idênticos aos do bairro 1º de Maio.

Tempo

Multimédia