Províncias

Governadora critica excesso de burocracia

Bernardo Capita| Cabinda

A governadora provincial, Aldina da Lomba, criticou sexta-feira, a péssima forma como os cidadãos são atendidos nos diversos serviços disponíveis na Administração Municipal de Cabinda.

Aldina da Lomba defende uma melhor prestação dos serviços públicos sem a burocracia actual
Fotografia: Rafael Tati

Aldina da Lomba, que falava no termo de visita técnica que efectuou àquela instituição e suas dependências, para constatar o seu funcionamento e o grau de implementação de vários projectos sociais, afirmou que “a falta de celeridade no tratamento dos documentos que são entregues pelos cidadãos mancha o bom nome da instituição”.
A Administração deve prestar um bom serviço público, acabando com a morosidade e excesso de burocracia que se observam, por exemplo, na emissão de licenças de construção, um importante documento que confere a legalidade para o início de qualquer edificação de carácter civil.
Aldina da Lomba exigiu mudanças a nível de atitudes de muitos funcionários da Administração Municipal, para que o cidadão não se sinta prejudicado e acorrer a serviços ilegais. “Quero ver esse quadro rapidamente invertido”, ordenou.
As críticas da governadora não se limitaram apenas ao mau atendimento que é prestado aos cidadãos, mas foram igualmente extensivas aos serviços de fiscalização da Administração Municipal de Cabinda, por causa da sua fraca actuação, o que tem estado a contribuir para o aumento exponencial de casos de transgressões administrativas.
Em consequência do mau trabalho da fiscalização, afirma a governadora, ao nível da cidade de Cabinda assistem-se reiteradas práticas que se enquadram nas transgressões administrativas. “É preciso  mais rigorosidade na actuação, penalizando todos os que infringem as normas urbanas”, deixou claro a responsável. A governante apelou aos serviços de fiscalização, em colaboração com outras forças de ordem, para serem mais eficazes no combate à venda ilegal de terrenos e à emigração ilícita, por serem grandes males que desestabilizam a região.

Comuna de Tando Zinze

A governadora visitou também a comuna de Tando Zinze, situada a 75 quilómetros da sede municipal de Cabinda, onde constatou o grau de dificuldades da população.
Ouvido pela governadora, o regedor Zeferino Lubongo Bunfu disse que os habitantes das nove aldeias congregadas na regedoria de Cacata vivem grandes dificuldades, principalmente pela falta de uma escola de primeiro ciclo. Por causa disso, os alunos que terminam o ensino de base têm dificuldades em dar sequência aos estudos.
O regedor apontou ainda a falta de sistemas de tratamento de água, de um posto médico e a melhoria das vias de acesso como outras grandes dificuldades que a população vive.
Em resposta, a governadora Aldina da Lomba disse que as autoridades vão encontrar formas para sanar os problemas, mas deixou claro que a situação financeira pode por enquanto inviabilizar a materialização destes programas.
Depois de Tando Zinze, a governadora provincial visitou a comuna de Malembo, para identificar os problemas locais e apontar soluções para a resolução dos mesmos.

Tempo

Multimédia