Províncias

Instituto Politécnico de Cabinda licencia mais quadros superiores

Bernardo Capita | Cabinda

O mercado de trabalho em Cabinda conta agora com mais 297 novos quadros superiores, formados nas especialidades de Enfermagem, Relações Internacionais, Engenharia Informática, Arquitectura e Urbanismo e Contabilidade e Gestão.

Pedido aos novos lincenciados da província para porem em prática os conhecimentos adquiridos durante a formação
Fotografia: António Soares | Cabinda

Formados pelo Instituto Superior Politécnico de Cabinda (ISPCAB), os recém-licenciados juntam-se aos outros 500 técnicos que a instituição académica já formou na província de Cabinda, desde 2010 até ao ano passado.
O director-geral do Instituto, José Manuel, considerou que os quadros formados são profissionais de excelência, pelo facto de terem tido o privilégio de serem alunos de professores competentes e as aulas práticas e teóricas também obedecerem a um rigor académico bastante sério.
Apesar do Instituto Superior Privado de Angola ter já formado mais de 500 licenciados, há um número considerável de estudantes finalistas que ainda não recebeu os seus diplomas, por falta de possibilidade financeira para pagar os 150 mil kwanzas exigidos pela instituição.
José Manuel explicou que os valores são necessários para que se compre a indumentaria da cerimónia de outorga de diplomas, pagamento do certificado e de outros emolumentos. “Muitos, pela condição financeira, vêem este preço de bastante oneroso”, realça. O vice-governador para a área Social e Política, Victor do Espírito Santo, pediu aos recém-licenciados para porem em prática os conhecimentos adquiridos durante a formação, rompendo as dificuldades que possam encontrar na vida, para se imporem no mercado que se apresenta, nos dias de hoje, bastante competitivo e exigente.
De acordo com os últimos dados do Censo Populacional, a província de Cabinda é a segunda do país, depois de Luanda, com o maior número de quadros superiores, o que constitui um grande motivo de regozijo não só do Governo da província, mas também dos seus habitantes.
“Devemos continuar nesse caminho porque só assim iremos contribuir no desenvolvimento socioeconómico da nossa província”, sublinhou o vice-governador.
Os recém-licenciados expressaram a sua alegria pelo facto de terem cumprido, com muito sacrifício, empenho e dedicação a formação superior, manifestando-se disponíveis a servirem o país onde quer que forem colocados.
Aurora Chianica Ngola, técnica superior de enfermagem e por sinal funcionária há décadas do Hospital Regional de Cabinda, que leu a mensagem em nome dos licenciados, disse estarem mais dotados de conhecimentos científicos, para exercerem a actividade nas suas áreas de formação com maior segurança e brio profissional.

Tempo

Multimédia