Províncias

Intensificada a luta de combate à doença

André Guto| Cabinda

A província de Cabinda registou, durante o primeiro trimestre deste ano, um total de 27.919 casos de malária, que resultaram na morte de 42 pessoas, de acordo com dados do departamento local de saúde pública e controlo de endemias.

Várias acções estão a ser desenvolvidas na província de Cabinda para fazer com que a malária deixe de causar muitas mortes
Fotografia: Santos Pedro

A província de Cabinda registou, durante o primeiro trimestre deste ano, um total de 27.919 casos de malária, que resultaram na morte de 42 pessoas, de acordo com dados do departamento local de saúde pública e controlo de endemias.
O supervisor provincial do Programa de Controlo à Malária, Paulo Chiúima, que divulgou ontem a informação, referiu que o município de Cabinda, com 21.570 casos, foi a localidade que registou mais pessoas apoquentadas com a doença, seguida por Cacongo, 1.345, Buço Zau, com 2.021, e Belize, com 2.983.
O chefe do departamento da saúde pública e controlo de endemias, António Gomes Tati, considerou a malária como um grande problema para a saúde pública no mundo e, em particular, em Angola, por ser a principal causa de mortalidade, sobretudo na África Subsaariana.
Por este facto, os governos, sob orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS), devem continuar a empenhar-se, atribuindo os fundos necessários para a diminuição da mortalidade por malária. António Gomes Tati sublinhou que Angola está a registar grandes avanços na luta contra a malária desde o alcance da paz. Antes de 2002, o país tinha uma redução significativa da rede sanitária, inferior a 40 por cento, devido ao fraco acesso das populações aos serviços de saúde e falhas do sistema de informação sanitária de rotina. O responsável provincial do departamento de saúde pública reconheceu o esforço que o Executivo tem feito na luta contra a malária, através dos diferentes planos estratégicos.
O chefe do Departamento de Relações Públicas da Chevron, Humberto Baquissi, afirmou que, no domínio da malária, a petrolífera tem estado a trabalhar em estreita colaboração com o governo, para a diminuição de casos da endemia.
Humberto Baquissi disse que a estatística existente sobre a malária faz crer, embora de forma tímida, que há uma diminuição de casos a nível da província. Por isso, considera necessário melhorar as condições de sanidade das localidades, bairros, ruas, ruelas, escolas e hospitais.
A vice-governadora para a área política e social, Aldina Lomba, referiu que o governo está a investir muito no sector da saúde, com a construção de hospitais, centros e postos médicos, compra de medicamentos e equipamentos, na perspectiva de garantir a saúde às populações.
A responsável alertou que a província de Cabinda, pela sua posição geográfica e vegetação, é endémica, daí que as populações devam acatar as medidas de prevenção.

Tempo

Multimédia