Províncias

Malembo tem habitações para o sector petrolífero

Bernardo Capita|Cabinda

Funcionários de empresas petrolíferas de Cabinda que durante o trabalho em regime de turnos ficavam a residir no campo do Malongo vão ser acomodados em melhores condições, com a inauguração ontem de um complexo residencial na comuna de Malembo.

Centro faz parte de um projecto do Executivo destinado a dar mais dignidade aos que trabalham fora das suas zonas de origens
Fotografia: Rafael Tati | Cabinda

O “Malembo Development Centre”vem dar resposta ao desejo do Executivo e do Governo Provincial de Cabinda em criar condições condignas de alojamento paraos trabalhadores das empresas que abandonarem o regime fechado do campo petrolífero de Malongo e fixarem residência para os seus funcionários e outros serviços na cidade de Cabinda, visando o desenvolvimento industrial.
Orçado em mais de 128 milhões de dólares, o centro é a segunda fase do projecto concebido para a acomodação de trabalhadores da indústria petrolífera do Malongo, comporta 400 quartos e tem uma capacidade de 480 camas.
Além de prestar serviços às companhias petrolíferas e empreiteiros, o “Malembo Development Centre” dispõe de lavandaria, refeitório, salas de novas tecnologias.
Na sua terceira fase, vão ser expandidasas actividades em áreas sensíveis como a saúde e educação. A directora-geral do complexo residencial, Rosa Maria Mingas, disse que, com a conclusão da terceira fase, o projecto vai passar a dispor de 22 edifícios e absorver mais mão-de-obra provincial. Na primeira e segunda fase, o empreendimento criou 190 empregos directos e 226 indirectos. A governadora provincial de Cabinda, Aldina da Lomba Catembo, que assistiu àinauguração da segunda fase do complexo residencial, elogiou os promotores do projecto, afirmando ser este um dos caminhos para uma maior interacção entre os trabalhadores nacionais e expatriados e a sociedade cabindense.
Aldina da Lomba referiu quea inauguração do centro permiteuma maior comparticipação das empresas ligadas ao sector petrolífero no desenvolvimento da região.“É uma oportunidade ímpar para aproximar as empresas às comunidades, dando assim corpo às políticas do Executivo, no quadro do Plano Nacional de Desenvolvimento, viradas para a promoção do emprego ea capacitação e valorização dos recursos humanos nacionais”, destacou a governadora.
O deputado Joaquim David, antigo ministro dos Petróleos e da Indústria, esteve presente no acto e considerou que o centro abre maiores oportunidades de serviços e empregos que antes não eram aproveitados na província.

Tempo

Multimédia