Províncias

Ministro da Saúde apresentou o projecto

A província de Cabinda ficou com um dos quatro hospitais regionais no quadro da estratégia do Executivo para melhorar a assistência médica e sanitária no país, declarou o ministro da saúde, José Van-Dúnem.

Edificação de novo hospital regional vai aliviar as enchentes registadas no Hospital Provincial de Cabinda
Fotografia: Rafael Tati

A província de Cabinda ficou com um dos quatro hospitais regionais no quadro da estratégia do Executivo para melhorar a assistência médica e sanitária no país, declarou o ministro da saúde, José Van-Dúnem.
O ministro falava na cerimónia de apresentação do projecto para a construção do Hospital Regional de Cabinda, no quadro da visita que o Vice-Presidente da República, Fernando da Piedade Dias dos Santos, efectuou à província. A nova unidade garante a oferta de serviços de saúde com todos os recursos necessários, para evitar que cidadãos da província tenham de ir a países vizinhos à procura de assistência médica.
José Van-Dúnem anunciou que para além de Cabinda, vão ser construídos hospitais regionais nas províncias de Malange, Huíla, Huambo e Luanda.
Na capital vai ser feita uma intervenção de fundo no Hospital Américo Boavida para dar uma resposta mais “concentrada” às necessidades de saúde. O objectivo do programa é fazer intervenções nas infra-estruturas existentes e em equipamentos “criando verdadeiros pólos de qualidade” para oferecer mais e melhores serviços que permitam reduzir as evacuações para o exterior e as deslocações para outras cidades a procura de tratamento médico.
José Van-Dúnem disse que os hospitais regionais vão ser construídos nas províncias com Faculdades de Medicina, cujos estudantes devem contribuir para o acelerar da qualidade na prestação de serviços de saúde.
O Executivo vai continuar a melhorar a estratégia de municipalização dos serviços de saúde, levando os serviços cada vez mais próximos do cidadão. A entidade ligada ao projecto do hospital regional indica que a unidade sanitária fica implantada numa área de dez hectares e tem 350 camas, podendo chegar às 470. Tem ainda centrais de tratamento de resíduos e de lavagem de roupas hospitalares para servir todas as unidades sanitárias da província, sistemas para o tratamento de esgotos, de abastecimento de água e energia eléctrica e um heliporto.
O governador de Cabinda, Mawete João Baptista, referiu que o Hospital Provincial, a maior unidade sanitária da região, tem a sua capacidade de 326 camas reduzida a 129, devido às obras de remodelação e modernização a que está a ser submetida.
Do seu funcionamento, prosseguiu, destacam-se o banco de urgência, laboratório de análises clínicas, hemoterapia, pediatria, ginecologia, obstetrícia, cirurgia (bloco operatório), radiologia e outros serviços de especialidade, incluindo de apoio hospitalar.
Indicou que o sector da Saúde em Cabinda conta com 2.460 trabalhadores, dos quais 49 médicos   nacionais e 115 estrangeiros, 87 enfermeiros graduados, 813 enfermeiros gerais, 437 auxiliares, 378 técnicos de diagnóstico e terapêutica de vários escalões, 457 administrativos, 28 operários e 240 pessoal de apoio hospitalar.
Mawete João Baptista disse que a mortalidade infantil desceu 33 porcento nos últimos três anos. No que diz respeito aos partos, foram realizados 10.0 33, sendo 722 cesarianas, com uma taxa de mortalidade materna de 0,2 por cento. Concluiu a sua intervenção salientando que a província de Cabinda conta com 143 unidades sanitárias, entre hospitais, centros e postos de saúde.

Tempo

Multimédia