Províncias

Petrolífera Chevron e parceiros premeiam estudantes com bolsas

Bernardo Capita| Cabinda

Ao todo, 60 estudantes dos pólos de Cabinda das Universidades Privada (UPRA) e Lusíada de Angola, vão beneficiar, ainda este ano, de bolsas de estudo da Chevron e de parceiros do Bloco zero.

Ao todo, 60 estudantes dos pólos de Cabinda das Universidades Privada (UPRA) e Lusíada de Angola, vão beneficiar, ainda este ano, de bolsas de estudo da Chevron e de parceiros do Bloco zero.
 O programa de bolsas de estudo, instituído pela petrolífera em 2009, avaliado em 250 mil dólares, destina-se a estudantes com a média final de 13 valores.
A abertura da terceira edição de entrega de bolsa realizou-se, ontem, em Cabinda, nas instalações da Universidade Lusíada de Angola, na presença de elementos do governo da província, vice-reitores das duas instituições de ensino superior, docentes e estudantes.  O director de Políticas e Relações Públicas da Chevron em Cabinda, Humberto Baquissi, disse que o programa de bolsas de estudo é uma componente estratégica do desenvolvimento de recursos humanos na província, que facilita o acesso dos estudantes às universidades instaladas naquela região académica, com o pagamento de propinas e estímulos aos que transitam com distinção.
Na cerimónia, os responsáveis pela atribuição de bolsas entregaram às duas universidades material informático e consumíveis e certificados a 25 finalistas, seis dos quais foram contemplados com computadores portáteis por terem tido 14 valores de classificação final.
Humberto Baquissi referiu que o material entregue vai contribuir para a formação e apoio às universidades e, sobretudo, aos estudantes nas teses do curso de Informática.
O director da Juventude e Desportos em Cabinda, Óscar Dilo, em representação do governador Mawete João Baptista, afirmou que o gesto da Chevron e dos parceiros do bloco 0 complementa os esforços do Executivo e do governo da província no que toca a formação e pediu aos estudantes distinguidos que se empenhem, dando o melhor de si para recompensarem o investimento da companhia petrolífera.    

Tempo

Multimédia