Províncias

Revitalização sanitária melhora atendimento

 O atendimento médico e medicamentoso de crianças e grávidas registou melhorias significativas com a implementação e execução do programa de revitalização dos serviços sanitários na província do Bié, disse no sábado o director da Saúde, José Augusto Gonçalves. 

O atendimento médico e medicamentoso de crianças e grávidas registou melhorias significativas com a implementação e execução do programa de revitalização dos serviços sanitários na província do Bié, disse no sábado o director da Saúde, José Augusto Gonçalves. 
O projecto, segundo explicou, consiste no reforço dos programas de vacinação de crianças e grávidas, consultas pré-natais, desparasitação, administração de ferro e ácido fólico, com vista a reduzir as anemias.  Salientou ainda que o programa de revitalização dos serviços de saúde vai ainda incluir a distribuição de mosquiteiros, no quadro do programa de combate à malária. Além disso, vão decorrer acções destinadas a combater o VIH/Sida e a prevenir a transmissão vertical.
Para a sua execução, segundo José Gonçalves, o sector vai actuar nos postos fixos e colocar equipas avançadas nas localidades mais longínquas da província.
Enquanto isso, cerca de dez mil pacientes com doenças diversas foram assistidos no Hospital Municipal de Chinguar,  nos primeiros quatro meses deste ano, afirmou à Angop o director clínico daquela unidade sanitária.

Hospital de Chinguar

Faria Mateus disse que foram atendidos 5.204 pacientes com malária, 2.768 com doenças respiratórias agudas e 734 com diarreias diversas. O hospital atendeu ainda 951 pacientes com parasitoses intestinais, 6.726 em consultas de medicina, 7.430 de pediatria e 673 de cirurgia e ortopedia.
A unidade hospitalar do Chinguar internou 463 doentes, dos quais 20 faleceram, sendo 12 por malária, um por diarreia aguda, igual número por raiva e seis por doenças associadas.
A maior unidade sanitária no Bié funciona com três médicos e 60 enfermeiros, além de 35 trabalhadores administrativos.
Dados da direcção municipal da Saúde dão conta que vão ser admitidos mais técnicos e construídas unidades sanitárias, para baixar o índice de mortalidade.

Tempo

Multimédia