Províncias

Sector das Águas precisa de mais verbas

Joaquim Suami | Cabinda

O Governo Provincial de Cabinda precisa de 1,5 mil milhões de kwanzas para garantir maior produção, tratamento e distribuição de água potável às populações dos quatro municípios, até ao mês de Dezembro, revelou ontem o secretário provincial da Energia e Águas.

Objectivo é reabilitar e construir mais sistemas de captação e distribuição de água
Fotografia: António Soares

André Massanga referiu que o montante de 104 milhões de kwanzas que o Governo Provincial disponibilizou para o sector da Energia e Águas é insuficiente para estancar as restrições que se verificam no fornecimento do produto.
Além da produção, tratamento e distribuição de água potável, o montante de 1,5 mil milhões servia para a aquisição de produtos químicos, manutenção e aquisição de combustíveis para este ano.
Em função da crise financeira que o país atravessa, a maior parte do orçamento foi cortado, restando apenas o montante de 104 milhões de kwanzas, o que representa menos de dez por cento da cobertura necessária para o abastecimento de água aos consumidores.
Enquanto a situação orçamental não for invertida, as restrições que se verificam a nível da província de Cabinda, no que diz respeito à produção e distribuição de água potável, vão continuar.
André Massanga afirmou que os 104 milhões de kwanzas permitiram assegurar a distribuição de água potável às populações durante o primeiro trimestre, mas, neste segundo período, já se registam restrições, por falta de verbas. A escassez de dinheiro está a prejudicar a  compra de produtos químicos, combustíveis e a manutenção das máquinas das estações de tratamento, para garantir a produção de 480 mil metros cúbicos por mês.
Fruto das restrições nos últimos dois meses, o Governo Provincial de Cabinda está a trabalhar com o Ministério de Energias e Águas para se ultrapassar a crise do fornecimento.

Perspectivas animadoras

O Governo Provincial prevê este ano a construção de uma estação de tratamento e distribuição de água potável, na aldeia do Sassa Zau, no município de Cabinda, com capacidade para produzir 2.160 metros cúbicos por hora.
Além deste projecto, o Governo pretende aumentar a capacidade de abastecimento de água potável, com a montagem de 850 ligações domiciliárias, prediais, bem como a colocação de torneiras de quintais e chafarizes entre as aldeias do Futila e Chinga. O secretário provincial avançou que consta igualmente do plano do governo a construção de um laboratório regional para o tratamento de água.
Na cidade de Cabinda, vão ser feitas 28 mil ligações domiciliárias, prediais e torneiras de quintal nos bairros onde não existem ligações.
No bairro do Chibodo pretende-se montar um sistema de abastecimento com capacidade para produzir 250 metros cúbicos de água, para beneficiar moradores da zona e da urbanização 4 de Abril.
Além disso, prevê-se fazer 9.500 ligações domiciliares, prediais, edifícios públicos, torneiras de quintal e chafarizes para os moradores das zonas periféricas do município de Cabinda.
No município de Cacongo e de Belize vão ser reabilitados os sistemas existentes, para melhorar em grande escala o abastecimento de água aos munícipes.

Tempo

Multimédia