Províncias

Taxa fixa para o lixo vigora em Cabinda

Bernardo Capita | Cabinda

Cidadãos residentes na cidade de Cabinda, assim como as empresas privadas possuidoras de superfícies comerciais de grande e pequena dimensões vão, a partir dos próximos dias, pagar a taxa de recolha de lixo, anunciou, terça-feira, a governadora provincial.

Governadora provincial Aldina da Lomba
Fotografia: António Soares

Aldina da Lomba Catembo, que falava na cerimónia de entrega de camiões basculantes e duas retro-escavadoras à Administração Municipal de Cabinda, disse que a taxa a ser cobrada aos cidadãos está fixada em 1.320 kwanzas mês por cada moradia, referindo que para as empresas a taxa é calculada em função do tipo da actividade que exercem e das quantidades de resíduos produzido diariamente.
“Trata-se de uma nova experiência no nosso país, apesar de ser usual em outros pontos do mundo onde já se pratica a taxa de saneamento básico”, sublinhou a governadora  provincial para quem as cobranças nas zonas urbanas são inseridas na factura de energia eléctrica ou da água e nas zonas periféricas através de um contrato com as operadoras de limpeza.
A governadora Aldina da Lomba Catembo considerou graves os problemas de saneamento básico que se registam na cidade de Cabinda e bairros periféricos e lembrou que o quadro actual resulta sobretudo da não recolha regular de lixo por parte das operadoras locais, muitas das quais não honram com os seus compromissos.
Com base neste pressuposto, disse Aldina da Lomba Catembo, houve a necessidade de se encontrar a melhor via para solução do problema, que passa pela contribuição da população, pagando a taxa da recolha de lixo.
O administrador municipal de Cabinda, Artur Carmo Manuel, admitiu que os meios rolantes disponibilizados pelo governo da província vão minimizar a gravidade do problema de saneamento básico, relativamente à dificuldade na recolha do lixo um pouco por toda da cidade e áreas periféricas.
Artur Carmo Manuel afirmou que os meios vão ser entregues à brigada municipal dos serviços comunitários, recentemente revitalizada que, a par das empresas de recolha de lixo, passam também a intervir nas tarefas de recolha de resíduos sólidos. Pediu maior colaboração da população no pagamento da taxa da recolha de lixo.

Tempo

Multimédia