Províncias

Táxis sem pintura estão ilegais em Cabinda

Bernardo Capita|Cabinda

As viaturas que continuarem a exercer o serviço de táxi de passageiros na província de Cabinda, nos próximos 60 dias, sem apresentarem as características exigidas vão ser apreendidas pelas forças policiais, advertiu ontem o secretário provincial dos Transportes Correios e Telecomunicações.

Proprietários de táxi têm uma moratória
Fotografia: Paulo Mulaza

António Custódio disse que os proprietários de táxis e outros operadores do ramo têm uma moratória de dois meses, para tratarem das licenças de aluguer e pintarem as viaturas a azul e branco.
A medida surge depois de uma encontro consensual entre a direcção dos Transportes, Polícia Nacional e os operadores do ramo, que serviu igualmente para esclarecimento sobre o Decreto Presidencial nº 128/10, que visa regular o serviço de táxi. “Este é o momento de disciplinar os táxis na província”, disse António Custódio. O responsável dos Transportes reiterou a advertência: as normas para os operadores individuais e empresas de serviço de táxi personalizado têm de ser integralmente cumpridas. Dentro de 60 dias, quem não cumprir, sofre as sanções previstas na Lei.
António Custódio disse que, nos últimos tempos, se tem registado uma grande falta de interesse por parte de empresas que exercem a actividade de táxi personalizado em pintarem as suas viaturas a azul e branco, conforme estipula o decreto.
O secretário provincial dos Transportes informou que ao longo do período de moratória, as autoridades vão continuar a realizar campanhas pedagógicas para seguidamente serem tomadas medidas coercivas.
O presidente da Associação Provincial dos Taxistas, Filipe Binda, considerou salutar as medidas que o sector dos Transportes está a tomar, uma vez que elas vão concorrer para o melhoramento do serviço de táxi e disciplinar o seu exercício em Cabinda.

Tempo

Multimédia