Províncias

Vendedores de madeira passam para Cabassango

A Administração municipal de Cabinda determinou a transferência dos vendedores da madeira serrada do mercado do bairro Gika e outros locais da cidade para o de Cabassango, até quarta-feira, devido à anarquia e desorganização na circulação de viaturas e peões.

Autoridades da província de Cabinda mais a norte disciplinam actividade comercial
Fotografia: Manuel Destinto

A Administração municipal de Cabinda determinou a transferência dos vendedores da madeira serrada do mercado do bairro Gika e outros locais da cidade para o de Cabassango, até quarta-feira, devido à anarquia e desorganização na circulação de viaturas e peões.
Uma nota da administração, chegada sábado à Angop, refere que a actividade de comercialização de madeira de forma desorganizada tem preocupado o Governo da província, a administração do município e o Instituto de Desenvolvimento Florestal.
De acordo com o porta-voz da instituição, Sefato Matoco, o Governo pôs à disposição dos vendedores um camião para a transportação gratuita da madeira para o mercado de Cabassango. Acrescentou que a medida visa permitir a requalificação das ruas do bairro Gika, inserida no Programa de Reordenamento Urbano em curso na província.
Foi igualmente determinado que, de 1 de Julho a 30 de Novembro, todos os munícipes da cidade e periferia deverão construir fossas sépticas ou rotas, por detrás das vivendas, para a drenagem das águas residuais. Findo esse prazo, os incumpridores serão responsabilizados.
Nos bairros periféricos da cidade de Cabinda, a construção de fossas e tanques junto as estradas e ruas, a escavação de latrinas defronte as residências e o escoamento das águas residuais para as estradas, ruas e valas de micro e macrodrenagem constituem um sério entrave às obras de reabilitação das vias terciárias.

Tempo

Multimédia