Províncias

Cabinda e Zaire com licenciados

Bernardo Capita | Cabinda e Edmundo Eucílio | Caxito

Um grupo de 277 licenciados de distintas Unidades Orgânicas da Universidade 11 de Novembro, na Região Académica número três (Cabinda e Zaire), recebeu, no fim-de-semana, diplomas de graduação e mestrado.

Universidade 11 de Novembro nas províncias de Cabinda e do Zaire fez a entrega de diplomas de licenciatura e mestrado
Fotografia: António Soares

Dos licenciados, 60 concluíram a formação em Medicina, 23 em Direito, 59 em Economia, 35 em Pedagogia, 29 em Ensino de Matemática, 29 em Ensino de Psicologia, 16 em Ensino da História e sete em Ensino de Biologia, no Instituto Superior de Ciências da Educação, ao passo que 19 elementos receberam diplomas de mestrado.
A cerimónia de outorga de títulos académicos aos recém-licenciados de distintas Unidades Orgânicas da Universidade 11 de Novembro, incluindo os de mestrado em Economia, teve lugar no pavilhão Multi Usos do Tafe e foi testemunhada pela governadora provincial de Cabinda, Aldina da Lomba Catembo, pelo Colégio Reitoral da Universidade 11 de Novembro, membros do Governo da Província de Cabinda e do Zaire, amigos e familiares dos graduandos.
O reitor da Universidade 11 de Novembro, João Fernando Manuel, afirmou que os títulos aos graus de licenciatura e de mestrados conferidos após a outorga dos respectivos diplomas impõem mudanças, visando o desenvolvimento multifacético do país.
João Fernando Manuel pediu ao governo provincial de Cabinda, no sentido de envidar esforços junto do Executivo para a conclusão das obras de construção do Campus Universitário de Cabinda, em curso na localidade do Caio Litoral, até 2016, para permitir o ingresso ao Ensino Superior de mais estudantes. A governadora provincial de Cabinda disse que a formação superior constitui preocupação constante do Executivo angolano, daí o surgimento do Plano Nacional de Formação de Quadros, para diversificar e melhorar a qualidade de ensino superior, visando alavancar os níveis de desenvolvimento económico e social do país.
Aldina da Lomba Catembo solicitou também aos graduado e pós graduados para colocarem em prática tudo que aprenderam durante o tempo de formação académica, para a resolução dos problemas dos cidadãos e da sociedade em geral. Preciosa Custódio Filipe, licenciada em Medicina, disse estar preparada para dar o melhor de si em prol da saúde da população, porque, disse, seria em vão perder seis anos para se formar e não puder aplicar na prática os conhecimentos adquiridos. “Sinto-me capacitada para trabalhar em prol da nossa população, seja em que lugar for a nível do país”, sublinhou.  O país está em reconstrução e precisa da contribuição de todos os seus filhos, disse a médica de 24 anos, que sonha, depois de conseguir o seu primeiro emprego, concluir o mestrado e posteriormente o doutoramento, incluindo a especialização em pediatria.

Informática no Bengo


Oitenta e sete jovens que terminaram o curso de Informática, em três meses, no Centro de Formação Profissional da Cruz Vermelha de Angola (CVA), na província do Bengo, receberam ontem, em Caxito, os seus certificados, que os habilitará a inscrever-se em instituições público ou privadas da região. A instituição matriculou no mês de Junho 108 jovens, sendo 55 do sexo masculino, e as aulas foram ministradas por quatro professores.
O director, Baltazar Mateus Pedro, apelou aos jovens para continuarem a investigar sobre as novas tecnologias de informação, para não estarem desactualizados no tempo e no espaço.
O Centro de Formação Profissional da CVA tem capacidade para albergar mais de 100 alunos e conta com vários cursos, como Informática, Culinária, Secretariado, Inglês, Francês e Decoração.

Tempo

Multimédia