Províncias

Casa do Gaiato em Malanje recebe apoio humanitário

Venâncio Victor | Malanje

A Casa do Gaiato em Malanje, que acolhe mais de 100 crianças órfãs e de rua, recebeu na semana finda bens de pri-meira necessidade, doados pela Agência Lendário, em parceria com a promotora de eventos DJMODEL.

Centro de acolhimento em Malanje foi fundado em 1964 pelo lendário padre Telmo
Fotografia: Venâncio Victor | Edições Novembro | Malanje

O donativo engloba roupa usada, óleo alimentar, detergentes, entre outros bens de primeira necessidade, que foram entregues aos lares dos idosos e Divina Providência, com o objectivo de minimizar as dificuldades materiais.
O presidente da referida agência, Gaspar Lobo, garantiu que vai continuar a desenvolver esforços para prestar apoio nos próximos tempos, a fim de colmatar algumas dificuldades.
Por sua vez, o responsável da Casa do Gaiato de Malanje, padre Rafael António, enalteceu o gesto daquela organização, tendo aconselhado outras pessoas singulares e colectivas a seguir o exemplo.
O prelado católico disse que a instituição que dirige enfrenta algumas dificuldades, que têm a ver com a alimentação, educação e saúde, pelo facto de os meios económicos serem insuficientes para fazer face às necessidades do lar.
O padre Rafael António disse que 50 por cento dos apoios vêm de Portugal, onde foi fundada a primeira Casa do Gaiato, e outros rendimentos, na mesma proporção, resultam do trabalho realizado na serração, marcenaria, serralharia e actividades agro-pecuárias.
A exploração da madeira era uma das principais fontes de rendimento, cujo trabalho ficou comprometido devido à medida do Governo que visa pôr fim à exploração desenfreada da floresta. “Há quatro meses que não exploramos a madeira, nem fazemos trabalhos de carpintaria”, disse Rafael António, que anunciou a celebração de contratos no domínio da agricultura com as comunidades das redondezas.
A actividade agro-pecuária, que conta com centenas de cabeças de gado bovino, é feita com limitações, devido à falta de ração. Neste momen-to estão cultivados cerca de dois  mil hectares de produtos diversos, com destaque para a mandioca.
Além da formação académica e religiosa, as crianças aprendem artes e ofícios, para fazer delas homens para o futuro.
De acordo com explicações prestadas pelo padre Rafael António, anualmente são encaminhados pelo me-nos quatro jovens para a conclusão do ensino superior em algumas universidades do país, em função do aproveitamento escolar.
A Casa do Gaiato acolhe crianças desfavorecidas, fundamentalmente de Malan-je, Luanda, Cuanza Norte e Cuando Cubango. Foi fundado pelo padre Telmo em 1964, tendo formado muitos quadros que desempenham cargos de destaque a nível do aparelho governativo do Estado.

Tempo

Multimédia