Províncias

Casas incendiadas em aldeia do Bocoio

Júlio Gaiano | Bocoio

Uma briga de famílias resultou no incêndio de dezenas de casas, lavras e animais domésticos numa aldeia próxima da sede do município do Bocoio, na província de Benguela.

Fotografia: DR

Relatos colhidos no local pelo Jornal de Angola dão conta que tudo começou quando um grupo de indivíduos decidiu desalojar da localidade um agricultor, cujo pai é acusado de supostas acções criminosas. Contudo, o facto não se consumou porque os vizinhos e parentes da vítima saíram em sua defesa, gerando uma grande confusão, que culminou no incêndio de 16 casas (as autoridades falam em 10), além de hectares de campos cultivados. Animais domésticos, designadamente, cães, gatos, galinhas, patos, porcos e cabritos, também não foram poupados. Assustadas com a situação, 16 famílias fugi-ram para as matas, onde estão incontactáveis pelas autoridades. Nesta acção, um ancião que, ainda, tentou apaziguar a algazarra, foi espancado, estando em tratamento numa aldeia vizinha.

O agricultor Avelino Kututa, o mote da contenda, disse à imprensa que, além do tormento psicológico, foi amarrado e torturado durante duas horas num lugar secreto. “Disseram-me que tinha de abandonar a aldeia, porque o meu pai era criminoso. Respondi-lhes que não podia fazer isso, porque era aqui onde estavam os meus pertences. Mesmo assim, insistiram que tinha de abandonar e seguir para a terra da minha mãe, como se eu fosse o responsável pelos actos dos outros”, queixou-se o aldeão, pedindo justiça para o que considerou violência com cariz étnico.

Tempo

Multimédia