Províncias

Casos de sarampo reduzem em Ondjiva

A chefe da área da pediatria do Hospital Central de Ondjiva anunciou, na segunda-feira, à Angop, a diminuição, nas últimas duas semanas, dos casos de sarampo na unidade sanitária.

A chefe da área da pediatria do Hospital Central de Ondjiva anunciou, na segunda-feira, à Angop, a diminuição, nas últimas duas semanas, dos casos de sarampo na unidade sanitária.
Lúcia de Fátima referiu que a redução se deve à realização de acções sensibilizadoras sobre os cuidados da doença e que, nas mesmas duas semanas, se registou, em média, um caso por dia, o que revela uma “diminuição significativa” da doença em Ondjiva, já que, “até aqui, havia, diariamente, quatro a cinco”.
As patologias mais diagnosticadas na área sanitária, disse, são doenças diarreicas agudas, gastroenterite e tosses, que afectaram, maioritariamente, crianças, com menos de 5 anos.

Combate ao VIH/Sida

A cidade de Ondjiva, capital do Cunene, acolhe desde ontem, uma reunião técnica de coordenação regional sobre o combate ao VIH/Sida nas províncias limítrofes da fronteira comum com a Namíbia.
O encontro, com duração de três dias, foi aberto pelo director provincial da Saúde, Eduardo Hayumba, que referiu ser uma reunião de extrema importância na luta contra esta pandemia nas regiões do Kuando- Kubango, Namibe e Cunene.
Anunciou que vão ser elaborados planos de trabalho conjuntos entre as três províncias, assinalando as actividades comuns e as respectivas responsabilidades na sua implementação, com vista ao reforço na região fronteiriça.
Os participantes estão a analisar questões como a situação actual do VIH/Sida nestas províncias, identificação de parceiros e constrangimento na execução de projectos, bem como definir estratégias de combate à Sida. 
 A reunião conta ainda com o suporte técnico da organização norte-americana USAID, na implementação do projecto Serviços Essenciais de Saúde (SES).
A representante do programa, Margarita Gurdian, refere que a situação do VIH/Sida torna-se crítica naquelas províncias do corredor fronteiriço com os diferentes países que fazem fronteira com Angola.
 Sublinhou que dados estatísticos do Instituto Nacional de Luta Contra Sida no país, indicam que as regiões localizadas na parte Sul de Angola são as mais propensas a este flagelo, devido ao fluxo migratório.
Participam no encontro directores provinciais, ONG, técnicos de saúde pública, representantes da rede local de pessoas vivendo com VIH/Sida e convidados.

Tempo

Multimédia