Províncias

Centro de saúde passa a hospital de referência

O antigo centro municipal de saúde de Quimbele, na província do Uíge, vai ser transformado em hospital de referência, capaz de oferecer um serviço mais humanizado à população, após a conclusão das obras de restauração e ampliação, disse ontem ao Jornal de Angola, o administrador municipal.

Obras de reabilitação permitem aumentar a capacidade de internamento e a entrada em funcionamento de mais serviços
Fotografia: Mavidi Mulaza

António Zambo lembrou que no passado o centro dispunha apenas do serviço do Programa Alargado de Vacinação (PAV), consultas pré-natais, maternidade e pediatria. “Depois das obras de ampliação, vão entrar em funcionamento o banco de urgência, áreas de cirurgia, medicina geral, bloco operatório, Raio-X, hemoterapia, tisiologia e ortopedia, com capacidade de internamento de mais de 100 pacientes.”
O administrador de Quimbele reconheceu os avanços no sector da saúde no município, tendo destacado a construção de unidades sanitárias nas sedes comunais de Icoca, Cuango e Alto Zaza, além da construção de residências para os técnicos que vão assegurar os serviços.

Falta de médicos

Apesar dos avanços que se registam no sector da saúde em termos de unidades sanitárias, disse  António Zambo, o grande problema está relacionado com a falta de médicos no município. A região conta com 36 enfermeiros, a maior parte com o nível básico.  O município tem apenas um médico, insuficiente para dar resposta às inúmeras solicitações, sendo necessários pelo menos 12 especialistas e 60 enfermeiros. A directora da Repartição Municipal de Saúde de Quimbele, Catondi Imaza, explicou que a falta de médicos é um dos principais problemas do sector, que tem estado a influenciar negativamente na melhoria da prestação de serviços às populações. Quimbele possui 15 unidades sanitárias, nove dos quais  em   funcionamento e seis outras encerradas por motivo de obras. A responsável da saúde no município disse que cada posto médico funciona apenas com um enfermeiro, por insuficiência de técnicos, o que torna difícil trabalhar nas actuais condições.

Novas unidade sanitárias

Catondi Imaza apontou as comunas de Cuango e Icoca e as localidades que fazem fronteira com os municípios de Buengas e Sanza Pombo como as zonas prioritárias para a construção de novas unidades de saúde.
“É importante construir centros de saúde nestas localidades porque os habitantes enfrentam enormes dificuldades para receberem cuidados médicos e medicamentosos”, disse a directora da Repartição Municipal de Saúde de Quimbele.
 A malária, as doenças diarreicas e respiratórias agudas e as infecções da pele são as doenças mais frequentes na região.
O director da Repartição Municipal da Saúde de Quimbele referiu que a melhoria das vias de acesso ao município permitiu a construção de mais postos e centros de saúde na localidade.Em função disso, sublinhou, a população que vive nas localidades mais longínquas do município chega facilmente às unidades de saúde, devido à grande movimentação de viaturas que circulam nos dois sentidos. 
A 290 quilómetros da cidade do Uíge, o município de Quimbele é constituído por três comunas, sete regedorias e mais de duzentas aldeias. Quimbele conta com uma população calculada em mais de 300 mil habitantes.

Tempo

Multimédia