Províncias

Cidadãos reclamam maior rapidez na emissão do Bilhete de Identidade

Kátia Ramos | Ndalatando

 
Morosidade no atendimento e longos dias para a recepção dos Bilhetes de Identidade preocupam os munícipes de Ndalatando, província do Kwanza-Norte, uma situação que consideram incompreensível e que contraria as informações, segundo as quais os BI deviam ser tratados e recebidos no mesmo dia. 

 
Morosidade no atendimento e longos dias para a recepção dos Bilhetes de Identidade preocupam os munícipes de Ndalatando, província do Kwanza-Norte, uma situação que consideram incompreensível e que contraria as informações, segundo as quais os BI deviam ser tratados e recebidos no mesmo dia.
Em Ndalatando foi possível observar grande número de pessoas a aguardar para tratar o documento. Abreu Domingos Mucomba, 43 anos, funcionário público e residente em Luanda, disse à nossa reportagem que deu entrada da documentação no dia 21 do mês de Outubro, mas até agora ainda não recebeu o documento. 
“Em Luanda disseram-me que a renovação ou troca do Bilhete de Identidade só seria possível na minha província de origem. Por isso solicitei uma licença no serviço e encontro-me aqui há duas semanas, a aguardar pelo Bilhete de Identidade”, desabafou.
Doroteia Andrade, de 46 anos, natural da província do Kwanza-Norte e residente na província do Uíje, foi obrigada a tratar o seu novo BI, na sua terra natal. Conta que deu entrada da documentação há mais de quatro dias, mas até agora nada recebeu. “Estou aqui todos os dias”, lamenta.
“Abandonei a minha casa e a família para tratar do Bilhete de Identidade na província onde nasci. Já não tenho familiares aqui. Estou em casa de uma irmã da igreja há mais de oito dias e ainda não consegui o BI”, frisou Laurinda Tito Maiombe, de 50 anos, desesperada devido aos constantes adiamentos para a recepção do Bilhete de Identidade. O mesmo sentimento é partilhado por Maria André, 29 anos, casada e proveniente de Luanda onde reside actualmente. Disse que abandonou o seu lar para adquirir o Bilhete de Identidade, documento indispensável para concorrer a um emprego.

Alterações de dados

O director provincial do Kwanza-Norte da Justiça, Claudino Salvador Filipe, informa que a demora tem sido causada pela alteração de dados nos assentos de nascimento, na cédula pessoal e até no próprio Bilhete de Identidade. 
Explicou que no processo de conferência dos dados de assento do nascimento ou outro documento que identifica o cidadão “não pode haver incompatibilidade”. E acrescentou que “temos verificado dados diferentes entre a idade actual do cidadão e a que consta no Bilhete de Identidade. Neste caso, o BI antigo é aprendido pelo sistema por falta de dados compatíveis, o mesmo é verificado com as alterações dos nomes ou outros pendentes”, salientou.
Referiu que o processo para a emissão do Bilhete de Identidade é permanente e logo que estejam criadas as condições todas as regiões vão beneficiar dos serviços. 
Sublinhou que a província aguarda, dentro de um mês, por viaturas móveis que estão a ser equipadas em Luanda.
Claudino Salvador assegurou que o sistema montado tem capacidade de emitir 150 BI por dia, mas, devido as constantes falhas, apenas são disponibilizados 40 a 60 bilhetes, com a duração de dez ou menos minutos.

Tempo

Multimédia