Províncias

Cidade de Cabinda com restrições de energia

A cidade de Cabinda e arredores vão sofrer restrições no fornecimento de energia eléctrica durante 15 dias, a contar do dia de hoje,

Restrições de energia são devidas à inobservância das regras por parte de uma empresa que faz escavação para instalação de fibra óptica
Fotografia: Mavitide Mulaza

devido à ameaça da queda de uma   torre de transporte  na zona de Kadula,  Bairro Lombo-Lombo, informou na sexta-feira o responsável da ENDE na província de Cabinda.
Simão Futi Goma disse que a situação se deve à inobservância das regras por parte de uma empresa que faz escavações para a instalação de fibra óptica.
Frente a esta situação, Simão Futi Goma disse o Governo da província de Cabinda vai responsabilizar a  empresa já que as escavações efectuadas em vários pontos da cidade e arredores estão a provocar danos em alguns empreendimentos públicos sempre que chove.
A governadora provincial de Cabinda, Aldina Matilde Catembo, esteve no local e lamentou o que constatou tendo considerado grave a situação com a empresa Setcom.
“Nós vamos responsabilizá-la. Já tivemos  um encontro e vimos que eles fazem escavações muito próximo das valas de drenagem   e depois não fazem a reposição das terras. O compromisso que tem com o Governo é fazer a escavação porque a fibra óptica é importante para as comunicações. Mas não podemos descobrir um santo para cobrir o outro”, disse Aldina Matilde Catembo.  Aldina Matilde Catembo sublinhou a importância de se respeitarem as regras estabelecidas no projecto, sobretudo do traçado viabilizado para se implantar a fibra óptica.
Em face disso, a governadora provincial pediu uma fiscalização por parte da Administração Municipal de Cabinda e também a notificação das empresas de telefonia móvel que contrataram os serviços da Setcom para a sua responsabilização pelos danos que está a causar.  Ainda durante a  visita, Aldina Matilde Catembo constatou que a nova pontinha do Tchizo, inaugurada em Novembro do ano passado, sofreu já um desabamento provocado pelas  escavações, por não ter havido a devida reposição de terras após o trabalho.
“Estamos a ter estes problemas das ravinas e do desabamento das valas de drenagem das estradas provocado sobretudo por esta questão da fibra óptica”, lamentou a governadora.

Pista do aeroporto


A governadora de Cabinda, Aldina Matilde Catembo, manifestou a sua preocupação devido às inundações constantes na pista do aeroporto local provocadas pelas chuvas que caiem na província. Durante a sua visita de campo efectuada, sexta-feira, que se cingiu na avaliação dos prejuízos causados pelas chuvas que caiem na província, Aldina Catembo considerou preocupante a situação da pista do aeroporto que data já de algum tempo.
Todas as vezes que chove na cidade de Cabinda a única pista do aeroporto Mambo Café inunda originando a interrupção do trâfego e o consequente cancelamento de voos.
Reagindo às inundações, a governadora provincial disse que o assunto já é do domínio do Ministério dos Transportes que tem um plano para dar resposta concreta à situação com vista a pôr fim ao aglomerado de passageiros nas cidades de Cabinda e Luanda, privados deste serviço quando chove.
Matilde Catembo apontou medidas para resolver os problemas das inundações, que passam pela conclusão do programa das infra-estruturas integrado no desalojamento das populações que construíram em zonas de risco sobretudo na área montanhosa do Tchizo, tida como a zona onde partem as águas para baixa da cidade.
Sublinhou a urgência da realização de trabalhos de contenção na zona montanhosa Tchizo e para isso “é preciso fazer um trabalho sério de desalojar as famílias. Fazer um levantamento das  famílias que aí vivem, depois fazer o trabalho de engenharia de contenção nesta zona”.

Tempo

Multimédia