Províncias

Comboio diário apita a partir do próximo ano

Domingos Mucuta | Lubango

A circulação diária do comboio entre as cidades do Namibe, Lubango e Menongue começa a partir do primeiro semestre do próximo ano, anunciou na Matala  o presidente do conselho de administração do Caminho-de-Ferro de Moçâmedes (CFM).

A circulação de pessoas e mercadorias passa a ser mais fácil entre o Namibe e o Kuando-Kubango além de passar pela província da Huíla
Fotografia: Domingos Mucuta | Lubango

Daniel Quipaxe, que falava após a inauguração de mais dez estações ferroviárias entre Matala (Huíla) e Menongue (Kuando-Kubango), pelo ministro dos Transportes, Augusto Tomás, disse que o CFM trabalha na criação das condições técnicas.
O presidente do conselho de administração do CFM referiu que os técnicos trabalham para a instalação do sistema de telecomunicações e a sinalização ao longo da linha, no sentido de garantir as condições para a circulação do comboio com segurança.
Daniel Quipaxe argumentou que a inauguração das estações ferroviárias abre boas perspectivas para o aumento, nos próximos dias, da frequência de comboios de passageiros, entre Menongue e Namibe, para responder à elevada nos últimos tempos.
O presidente do conselho de administração do CFM considerou satisfatória a adesão da população aos comboios. “A partir do primeiro semestre do próximo ano estamos em condições de pôr o comboio a circular diariamente, para transportar mais cargas e passageiros. Hoje a procura é maior, porque viajar de comboio é seguro e mais barato”, frisou. O número de passageiros varia entre 600 e 800 pessoas por viagem, sobretudo entre o Lubango e Menongue, com tendência de aumentar quando a empresa lançar o comboio de mercadorias. Acrescentou que a empresa tem recebido v pedidos de empresas públicas e privadas interessadas em transportar carga, como combustíveis, madeira e granito.
 O plano de formação de quadros e renovação de pessoal nos Caminhos-de-Ferro de Moçâmedes decorre com o enquadramento de jovens com formação superior, que beneficiam de cursos sobre matérias ferroviárias, ministrados por consultores nacionais e estrangeiros. Daniel Quipaxe explicou que o processo contempla nesta fase mais de 40 jovens, que estão a receber formação específica sobre operação de máquinas, mecânica e gestão de estações.
 “A formação de quadros vai bem e estamos em crer que teremos quadros à altura de garantir o funcionamento normal da empresa, conforme a nossa estratégia de gestão de recursos humanos”, afirmou.

Rentabilizar o investimento


O presidente do conselho da administração disse que a empresa preconiza, a médio prazo, rentabilizar o investimento realizado para atingir a sustentabilidade financeira, através da aposta na gestão eficiente e melhoria dos serviços de contabilidade.
O responsável do CFM referiu que, no quadro da melhoria das condições sociais dos funcionários, a empresa está a construir 800 casas ao longo da linha, que vão acolher os trabalhadores destacados nas estações ferroviárias.
Anunciou para o dia 11 de Novembro a entrada em funcionamento da clínica do Caminho-de-Ferro de Moçâmedes na cidade do Lubango, criada para garantir assistência médica e medicamentosa aos 1.703 funcionários da empresa.
“A criação destas condições vai concorrer para que os nossos trabalhadores se sintam bem”, disse.

Tempo

Multimédia