Províncias

Comunidade khoisan em penúria alimentar

Carlos Paulino | Menongue

Cerca de mil membros da comunidade khoisan, nas localidades do Bundo, Ntopa, Mucundi, Tandawé e Jamba Cueio, no município de Menongue, província do Cuando Cubango, estão a enfrentar, desde o mês passado, uma situação de penúria alimentar e clamam por uma intervenção urgente do Governo Provincial e outras instituições.

Fotografia: Carlos Paulino | Edições Novembro

O grito de socorro foi feito ao Jornal de Angola pelo representante da comunidade khoisan no município de Menongue, António Cassanga, que percorreu mais de 90 quilómetros até à capital do Cuando Cubango, para pedir apoio ao Governo da província, tendo em vista a falta gritante de alimentos.
António Cassanga explicou que este problema pode estar a acontecer também com os cerca de 12 mil membros da comunidade khoisan, controlados em 31 localidades dos municípios de Menongue, Cuito Cuanavale, Cuangar, Calai, Dirico, Nancova, Mavinga e Rivungo, que, na sua maioria, sobrevivem ainda da caça e recolecção de frutos silvestres.
António Cassanga disse que o problema da falta de alimentos agudizou-se ainda mais devido à estiagem que se está a registar em quase toda a província do Cuando Cubango e que fez com que diversas sementes que lançaram à terra não germinassem, por falta de chuvas. Salientou que, por causa desta situação de penúria alimentar, muitos membros da sua localidade começaram a abandonar as áreas onde foram reassentados pelo Governo da província e estão a regressar às matas em busca de alimentos para a sua sobrevivência. Acrescentou que 30 crianças e adolescentes khoisan também deixaram de ir à escola por causa da fome e algumas foram obrigadas a acompanhar os pais às matas.
“Pedimos a intervenção do Governo da província e outras instituições no sentido de nos ajudarem, principalmente com bens alimentares, porque, neste momento, não temos o que comer”, disse, acrescentando que urge a necessidade de se evitar que as pessoas voltem à mata à procura de comida, tendo em vista que, muitas vezes, são devoradas por animais ferozes. Fez saber que os membros da comunidade khoisan carecem também de apoio urgente em vestuário, cobertores e utensílios de cozinha, uma vez que estão há muitos anos sem receber estes meios e os que existem actualmente estão em péssimas condições para serem utilizados.
António Cassanga disse que o Gabinete Provincial da Acção Social, Família e Igualdade de Género diz estar sem meios para apoiar a comunidade khoisan, tendo em conta a actual crise económica e financeira que o país está a viver.

Tempo

Multimédia