Províncias

Conflito impede a reactivação do perímetro irrigado do Waba

Domingos Mucuta | Caconda

A retomada da produção agrícola, em grande escala, no perímetro irrigado do Waba, município da Caconda, província da Huíla, está condicionada à resolução de um conflito entre famílias camponeses residentes no local e as autoridades administrativas da região, revelou hoje, o director municipal da Agricultura.

Região agrícola do Waba, no município da Caconda, produz, essencialmente, grandes quantidades de cereais
Fotografia: Contreiras Pipa | Edições Novembro

Pinheiro Baptista afirmou que o perímetro está inactivo porque a Direcção Municipal da Agricultura da Caconda enfrenta dificuldades para implementar políticas de fomento agrícola, “por causa de alguma resistência das populações camponesas, residentes no local”, que tem mais de três mil hectares de terras aráveis.

O responsável acusa a população de inviabilizar a intenção da administração municipal de revitalizar a zona agrícola, “que se tornou num gigante adormecido”, depois de ter sido uma referência na produção de trigo no país.
“Temos encontrado alguma resistência da população que habita no perímetro. Muitos habitantes locais alegam que as terras são dos avôs e que o colono actuava simplesmente nas zonas baixas e não na alta, facto que tem inviabilizado a implementação dos projectos já concebidos ”, disse Pinheiro Baptista, para acrescentar: “o perímetro tem um histórico na produção de trigo em grande escala, pois servia Luanda com imensas quantidades.”
Pinheiro Baptista admite que, se for reactivada a agricultura no Waba, a economia na província da Huíla vai dar um salto enorme. “Nesta localidade, a terra é extremamente fértil para a produção de milho, trigo e arroz. Mas, infelizmente, estamos com as mãos atadas devido a este conflito entre pessoas singulares e o Estado”, disse.

A Direcção Municipal da Agricultura da Caconda está a efectuar uma inventariação para apurar o número de famílias residentes no perímetro e os direitos que têm sobre as terras que reclamam, “para tomada de decisões definitivas”, segundo Pinheiro Baptista. O director municipal disse que, na eventualidade de o Governo assumir a gestão do local, numa primeira fase, far-se-á o desassoreamento dos rios e dos canais de irrigação que estão em estado avançado de degradação, para que se possa ter uma agricultura sustentável. “Tudo isso só será possível com a compreensão e colaboração dos camponeses. A administração municipal já tem tudo preparado, só precisa do aval das referidas famílias para intervir ”, reafirmou.
Os canais de irrigação do perímetro do Waba estendem-se até as localidades do Yumbi, Lossolo e do Kuwe.

Aposta na soja e no café
A Direcção Municipal da Agricultura da Caconda está a incentivar o cultivo de soja e de café na região. O incentivo para os agricultores apostarem nestas duas culturas tem sido a distribuição de sementes e mudas, cujo programa conta com o apoio directo do Instituto Nacional do Café em Angola (INCA) e do governo provincial.
O processo de produção começou de forma tímida, com a participação apenas de um núcleo restrito de agricultores, que dizem estar estimulados também pelos preços dos dois produtos no mercado. O quilograma de soja e de café está cotado acima dos 300 kwanzas contra os 75 de milho, outro produto produzido outrora em grandes quantidades na região.
Pinheiro Baptista defende o aumento dos donativos das mudas de café, por parte do Instituto Nacional do Café e do governo provincial. “Caconda tem histórico no cultivo de café. Queremos resgatar a prática no município. Gostaríamos mesmo de incentivar as associações e famílias de camponeses a diversificarem a produção. “O incremento da produção do café vai permitir o aumento do rendimento das famílias por ser um produto mais rentável em relação aos demais produzidos localmente”, argumentou.
O município da Caconda, com cinco cooperativas, 20 fazendas, 120 associações e mais de 20 mil famílias de camponeses, tem disponíveis para esta época agrícola 54 mil hectares e prevê colher perto de 40 mil toneladas de milho.

 

Tempo

Multimédia