Províncias

Criminalidade aumenta no Andulo

José Chaves | Cuito

Moradores da nova centralidade Horizonte no Andulo, Bié, estão preocupados com a falta de segurança, principalmente à noite, devido, essencialmente, ao aumento de casos de roubos e assaltos às residências e aos actos de vandalismo.

Fotografia: Edições Novembro

Os crimes, segundo alguns munícipes contactados pela nossa reportagem, são praticados na sua maioria à noite, devido à falta de policiamento.
Arleth Colombo, que mora na centralidade há um ano, disse que a delinquência aumentou desde que a empresa construtora Kora-Angola retirou a empresa privada de segurança do local.
“Nós dormimos cedo todos os dias por falta de segurança”, afirmou Arleth Colombo, que solicita aos órgãos policiais no sentido de reforçar-se o patrulhamento regular no local.
Francisco Manuel, outro mo-rador, disse sentir-se ameaçado, porque é estudante nocturno e normalmente só chega a casa às 23 horas. Informou que na semana finda a casa do vizinho foi assaltada, tendo os meliantes levado um televisor e outros artigos.
Dada a gravidade da situação, os munícipes apelam às entidades de direito no sentido de agirem de forma a criar-se mecanismos de segurança no local, para que diminuam os delitos na centralidade.
A nova centralidade do Andulo foi construída no âmbito do Programa de Investimentos Públicos (PIP), numa área de 72 235 hectares. Possui 172 habitações das mil previstas, das quais 144 são apartamentos, 14 moradias térreas e 14 residências de dois pisos.
Além de uma rede de energia, conta com um grupo gerador. O complexo dispõe de um sistema de abastecimento de água e outro de tratamento de resíduos.
O município do Andulo fica a 130 quilómetros do Cuito, capital da província do Bié. Tem uma superfície de 10 700 quilómetros quadrados e uma população de 250 mil habitantes.

Tempo

Multimédia