Províncias

Absentismo dos professores é preocupante

Dionisio David | Ondjiva

   
O absentismo que se está a verificar nos últimos tempos nalgumas escolas do meio rural do município do Cuanhama, província do Cunene, está a preocupar seriamente as autoridades administrativas locais e impõe medidas urgentes destinadas a pôr termo a esta situação.

Professores faltosos correm o risco de serem punidos com várias acções disciplinares entre as quais a transferência
Fotografia: Eduardo Pedro

Em declarações à comunicação social no final de uma visita de campo efectuada à localidade de Onanghe, comuna de Ondjiva, no quadro de um amplo programa de inaugurações de infra-estruturas sociais, o administrador municipal do Cuanhama, Gonçalves Namueya, disse ter constatado que o problema do absentismo não reside nos alunos, mas sim nos professores, que ficam semanas seguidas sem comparecer às aulas. Do levantamento feito a nível de todo o município, foi identificado um conjunto de factores e de aspectos negativos, que devem merecer o devido tratamento e atenção por parte da entidade competente.
Em função desta situação, considerou o administrador, torna-se urgente a elaboração de um calendário de visitas às escolas para, no terreno, constatar a realidade vivida nas instituições de ensino e serem adoptadas as medidas que se impõem, como sanções disciplinares em conformidade com a Lei Geral do Trabalho, marcação de faltas e levar a cabo processos de transferência de professores de uma localidade para outra.
O administrador adiantou que o município do Cuanhama tem falta de professores e necessita mais de 200 para o meio rural, tendo em conta a procura cada vez mais exigente e crescente. A solução pode ser encontrada através do concurso recentemente realizado na província.
Gonçalves Namueya salientou que apesar de Onanghe dispor de algumas estruturas, como u­ma escola de três salas, um posto de saúde, residência para professores e enfermeiros, ainda ­necessita de mais outras unidades que aproximem os serviços da comunidade. Do ponto de vista administrativo, a localidade é muito extensa, com uma área de coordenação administrativa que se estende a outras localidades, como Odime, O­dimbuanime e Ecuva.
Dadas estas circunstâncias geográficas, Gonçalves Namueya considera ser necessário criar condições financeiras e materiais para que a povoação possa, em breve, ter uma boa imagem e a dignidade que merece.
 
Combate à pobreza                  
 
Em relação ao Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza, o administrador referiu a construção de cozinhas comunitárias, cujo objectivo é atenuar o sofrimento das crianças vulneráveis, idosos e pessoas portadoras de deficiência, principalmente em termos alimentares.
Onanghe é uma das localidades que passou agora a dispor de uma dessas cozinhas, devidamente apetrechadas com alimentos e material, três compartimentos, fogão a gás, uma despensa e refeitório e vai servir para alimentar quatro mil famílias da sede e arredores.
Este tipo de serviço está a animar a população, que acredita que as suas dificuldades vão diminuir consideravelmente.

Tempo

Multimédia