Províncias

Água de cor castanha jorra nas torneiras de Ondjiva

Adelaide Mualimusi | Ondjiva

A qualidade da água que está a jorrar nas torneiras na cidade Ondjiva, há mais de um mês, está a causar muitos questionamentos por parte dos consumidores, devido à coloração castanha que apresenta.

População de Ondjiva bebe água turva
Fotografia: DR

Efigénia Tânia, doméstica, moradora do bairro Castilhos, arredores da cidade de Ondjiva, disse que a qualidade da água que chega à sua casa é duvidosa. “Acredito que esta água está na origem das constantes dores de barriga que têm assolado todos os membros da minha família nos últimos dias”, sublinhou.

“Esta água”, prosseguiu Efigénia Tânia, “não é potável, está turva e visivelmente castanha. Quando metemos o líquido num recipiente transparente, horas depois, verificamos um pequeno acúmulo de barro no fundo, o que nos faz crer que as queixas de dores de barriga têm a ver com sujeira que a água denota.”
Fernanda Bando, moradora do bairro Pioneiro Zeca, disse que a sua família não está a consumir a água da torneira “por temer” contrair alguma doença: “temos preferido comprar água mineral, apesar de acarretar muitos gastos, mas não temos outra alternativa”, frisou. /> Josefa António, funcionária doméstica, no bairro Caxila III, disse que sequer utiliza a água da torneira para lavar roupa, “pois a cor escura que apresenta é susceptível de a encardir.”
Por seu lado, o director da Empresa de Águas do Cunene, Fernando Cunha, disse ao Jornal de Angola que a água é “totalmente tratada” e continua a ser potável. “A cor que ganhou, com a coloração, não causou influência no líquido, aliás isso se verifica igualmente em várias províncias”, disse.
“É preciso notar que”, continuou, “o rio, de onde vem a água, nasce no Bié e passa pelo Huambo, onde se regista grandes chuvas nos últimos dias. Portanto, a água passa por um percurso de cerca de 800 quilómetros, por onde arrasta muito lixo”, explicou, para acrescentar: “esta situação da água turva acontece todos os anos, mas este ano está com maior impacto.”

 

Tempo

Multimédia