Províncias

Áreas desminadas são agora campo de cultivo

Em campos da província do Cunene minados durante décadas, estão a surgir, aos poucos, sinais de nova vida, fruto da actividade diária da organização não governamental Terra Mãe, que está, desde Setembro, a desminar campos agrícolas, troços rodoviários e fazendas.

O Governo e parceiros intensificam as acções de desminagem para facilitar a livre circulação de pessoas e mercadorias
Fotografia: João Gomes

O projecto, de acordo com o director-geral da Terra Mãe, visa possibilitar a circulação e facilitar a actividade dos camponeses, tendo em vista o desenvolvimento socioeconómico das comunidades.
Carlos das Neves garantiu que, em dois meses de actividade, já foram desminados  3.421 metros quadrados na localidade de Ediva, no município da Cahama, onde foram encontradas e desactivadas 71 minas de diversos tipos.
O compromisso da ONG, acrescentou, é desminar cerca de 800 mil metros quadrados, destinados à actividade agrícola.
“Começámos no município da Cahama e os trabalhos vão estender-se a outros pontos da província, tendo em conta as necessidades e as prioridades estabelecidas pelo Governo do Cunene”, salientou.
Apesar de não ser possível quantificar os engenhos explosivos que sobraram da guerra, a situação no Cunene é preocupante, tendo em conta o número de e­fectivos militares que esteve na província, o que torna perigosa a circulação de pessoas e a agricultura impraticável em determinadas zonas.
O representante do presidente da Comissão Nacional Intersectorial de Desminagem e Assistência Humanitária, Manuel Buta, garantiu que prosseguem as operações para acabar em definitivo com campos minados na província, assim como as acções de sensibilização junto das comunidades sobre os perigos das minas e as precauções a ter em conta. Estas acções também contemplam o apoio às vítimas e a sua reinserção na vida activa.
Todas as operações de desminagem realizadas são objecto de um processo de controlo, para se poder ter a certeza de que as zonas desminadas estão efectivamente livres de perigo e preparadas para semear, construir casas e ruas e instalar indústrias, que permitam à província progredir.
A Associação Terra Mãe vai investir mais de dois milhões de euros na desminagem e assistência técnica e humanitária no Cunene, graças a um financiamento da União Europeia.
Os valores disponibilizados para o “Décimo Fundo Europeu de Desenvolvimento”, lançado na Cahama, destinam-se à eliminação de minas e a sensibilizar os habitantes do Cunene sobre os perigos das minas.
A escolha da Cahama para o arranque do projecto deve-se ao facto de ter sido, durante a guerra, uma das áreas mais minada.
O representante da União Europeia em Angola, Kamalandua Daniel, referiu que a comunidade europeia já disponibilizou, desde 2012, cerca de 70 milhões de euros, para acções contra as minas e de esclarecimento sobre os riscos que elas representam, assim como na assistência às vítimas.
No Cunene, de 2008 a 2013, já foram limpos 38. 912 metros quadrados, que estão livres de minas e outros engenhos explosivos, nos quais o Governo Provincial já está a desenvolver vários projectos de impacto social.
Durante o período em referência, foram encontradas e desactivas 165 minas anti-tanque, 466 anti-pessoais e 313.999 engenhos explosivos diversos não detonados, em várias localidades da província do Cunene.

Tempo

Multimédia