Províncias

Armazenamento de combustíveis deixa de ser problema no Cunene

Quinito Kañhameni | Ondjiva

O ministro dos Petróleos, Botelho de Vasconcelos, inaugurou ontem, na localidade de Ofitu-wa-Kanamwena, a 15 quilómetros a sul de Ondjiva, Cunene, as novas instalações de armazenamento de combustível, no quadro do plano  director de armazenamento que a Sonangol está a implementar em todo o país.

Reservatórios de combustível com capacidade para abastecer a região foram instalados nos arredores da cidade de Ondjiva
Fotografia: Jornal de Angola | Ondjiva

O ministro dos Petróleos, Botelho de Vasconcelos, inaugurou ontem, na localidade de Ofitu-wa-Kanamwena, a 15 quilómetros a sul de Ondjiva, Cunene, as novas instalações de armazenamento de combustível, no quadro do plano  director de armazenamento que a Sonangol está a implementar em todo o país.
Erguido numa extensão de quatro mil metros quadrados, o novo empreendimento conta com seis reservatórios com capacidade para armazenar mais de 30 mil metros cúbicos de combustíveis, desde gasóleo, gasolina, petróleo iluminante e de aviação, e está equipado com tecnologia de ponta.
Localizada na margem direita da Estrada Nacional 120, na via Ondjiva-Santa Clara, além dos equipamentos, possui um edifício com 24 compartimentos, entre áreas administrativas, WC e sala de reuniões.
O ministro dos Petróleos disse, durante o acto de inauguração, que as novas instalações vão acabar com o défice de combustível e melhorar a distribuição para o desenvolvimento económico da província e gerar emprego e oportunidades para empreendedores locais.
Segundo o ministro Botelho de Vasconcelos, a Sonangol tem um programa para ampliação da rede de distribuição e expansão dos serviços. Acrescentou que o mercado angolano está a caminhar para a sua liberalização, criando oportunidades para os empresários nacionais que queiram entrar nesta actividade, através de iniciativas que passam pela aquisição de postos de abastecimento contentorizados e de pequenas viaturas para levar o combustível às comunas distantes, no quadro da parceria pública e privada, desde que estes cumpram com as normas de segurança.
Botelho de Vasconcelos reconheceu que o Cunene tem grande défice de gás de cozinha e prometeu levar a preocupação à empresa de  distribuição e comercialização do produto, no sentido de se ultrapassar o problema nos próximos dias.“Vamos exercer a nossa influência para que a situação seja resolvida”, garantiu.

Exportação ilegal

O ministro dos Petróleos disse que as províncias fronteiriças têm vivido o fenómeno da comercialização ilegal de combustível. Segundo Botelho de Vasconcelos, o seu Ministério está a trabalhar com outras instituições para em definitivo estancar esta situação.
O governante apontou alguns comerciantes estrangeiros que se dedicam à exportação ilegal de combustíveis. Acrescentou que o fenómeno está identificado, faltando apenas implementar as medidas.
O governador do Cunene, António Didalelwa, disse que a província está de parabéns, porque há muito se fazia sentir na região a necessidade de um empreendimento desta natureza, cuja ausência contribuía para  a subida de preços dos produtos no mercado. António Didalelwa pediu à Sonangol Distribuidora para reforçar o fornecimento de gás à província para ajudar a combater o fenómeno da desertificação. Caso contrário, vai continuar o corte de árvores para lenha e fabrico de carvão.

Tempo

Multimédia