Províncias

Casos de mordeduras com tendência a baixar

Dionísio David | Ondjiva

Os casos de raiva causados por mordeduras de animais de estimação estão a diminuir significativamente na no Cunene, como resultado das campanhas permanentes de vacinação contra a doença, disse ontem, em Ondjiva, o chefe de departamento provincial de Saúde Pública e Controlo de Endemias.

Animais vadios passam a ser recohidos
Fotografia: João Gomes

Belarmino Satyaohamba disse que de Janeiro a Julho foram registados nove casos, com dois óbitos. “As mortes aconteceram devido à chegada tardia dos pacientes às unidades sanitárias”. 
Apesar do reduzido número de casos registados Belarmino Satyaohamba referiu que a situação é de algum modo preocupante, devido à existência de cães vadios nas ruas das cidades e vilas do Cunene, muitos dos quais sem vacina contra a raiva. “Outra preocupação prende-se com o facto de as vítimas de mordeduras em áreas rurais não se apresentarem aos postos de saúde em tempo oportuno e se o fazem é tardiamente”, acrescentou. />Alguns pacientes acabam por morrer antes de chegarem ao hospital, já que muitas famílias preferem recorrer à medicina tradicional em detrimento dos postos de saúde já espalhados um pouco por toda a província, disse Belarmino Satyaohamba, que aconselhou as famílias, em caso de mordedura, a recorrerem aos postos e centros de saúde   com condições de tratar o doente de forma adequada, tendo em conta que muitas farmácias ainda têm debilidades em conservar as vacinas.
As vítimas de mordeduras na sua maioria são crianças de cinco a 14 anos, pelo facto de ser a faixa etária a que mais interage com animais de estimação.

Tempo

Multimédia