Províncias

Casos de VIH/Sida aumentam no Cunene

Um total de 132 óbitos, derivados do VIH/Sida, foram registados na província do Cunene em 2018, mais 127 casos do  que no ano anterior, disse  ontem à Angop o chefe de Saúde Pública local, Félix Belarmino.

Hospitais têm muitos doentes internados graves com a doença
Fotografia: EDIÇÕES NOVEMBRO

Durante o referido período, foram diagnosticados mil e 660  casos nas unidades sanitárias da província  e 126 através do Programa de Testes Voluntários  implementado pela organização não governamental Ajuda de Desenvolvimento de Povo para Povo (ADPP) em várias escolas.
Feliz Berlamino  disse que actualmente estão em acompanhamento mil e 182  pacientes infectados, mediante as consultas regulares que avaliam trimestralmente a defesa do organismo que está em tratamento com anti - retrovirais.
Segundo o responsável, o aumento de casos de HIV/Sida decorre da inobservância das medidas de prevenção, aliada a fraca adesão às campanhas de testagem voluntária da doença.
Para reverter o quadro, frisou, tem se reforçado as campanhas de sensibilização e acompanhamento às pessoas portadoras da doença, visando a redução da cadeia de transmissão da pandemia.
A província do Cunene possui 66 unidades de diagnóstico, tratamento e prevenção do VIH/Sida.
Reduzir do impacto da seca A administração Municipal de Namacunde, província do Cunene, está a realizar um trabalho de desassoreamento de 28 chimpacas para minimizar a carência de água que afecta 31 mil e 694 habitantes da região, devido a seca que assola a circunscrição.
A informação foi avançada à Angop pela administradora  local, Isabel Ndesihafela, tendo referido que os trabalhos iniciaram este mês e os técnicos estão a usar meios como tractores, charruas, retroescavadoras, entre outros, para a conclusão o mais rápido possível do desassoreamento das chipacas.
A responsável fez saber que a Administração Municipal está a distribuir água potável à população através de camiões cisternas nas localidades de Okewe e Omandobe, respectivamente.
“Os camiões cisternas depositam a água potável em reservatórios existentes nestas duas localidades, de forma a minimizar a carência deste produto”, salientou.
Segundo Isabel Ndesihafela , há três meses que não chove na região, facto que está a preocupar as autoridades do município de Namacunde, uma região bastante árida.

Tempo

Multimédia