Províncias

Centro turístico de Oihole clama por obras de restauro

Dionísio David | Oihole

O governador do Cunene, Kundi Paihama, manifestou-se quinta-feira, na localidade do Oihole, indignado com o estado de degradação das infra-estruturas do complexo turístico do Oihole, no município de Namacunde.

Estado de degradação é preocupante
Fotografia: Venâncio Amaral | Cunene - Edições Novembro

O espaço é onde está erguido o Memorial do rei Mandume ya Ndemufayo, uma das mais importantes figuras históricas da resistência contra a ocupação colonial no sul do país.
A afirmação foi feita durante uma visita ao memorial, no quadro dos preparativos das festividades do centenário da morte em combate do Rei Mandume ya Ndemufayo, a 6 de Fevereiro de 1917, na localidade de Oihole.
Durante a visita, o governador recebeu explicações sobre o actual estado das infra-estruturas do complexo, que têm vindo a deteriorar-se por falta de utilização e alguns erros de construção que estão a permitir a infiltração das águas das chuvas.
O complexo beneficiou de obras de reabilitação, que se iniciaram em 2008 e terminaram em 2014, com vista a melhorar a sua imagem. Dois anos depois, grande parte das infra-estruturas, como os quartos suite de construção definitiva apresentam fissuras e degradação no tecto.
Kundi Paihama exigiu uma gestão rigorosa daquele espaço turístico e cultural por parte das direcções provinciais da Cultura e da Hotelaria e Turismo.
O governante afirmou que o facto deveu-se à não observância das normas arquitectónicas e orientou a direcção do Gabinete do Plano e a comissão de gestão do complexo de Oihole no sentido de verificarem os erros constatados e se necessário responsabilizar o empreiteiro.
Kundi Paihama disse ser necessária e urgente a realização de um concurso público para encontrar uma empresa com capacidade de gerir o complexo, visando a sua rentabilização.
O complexo turístico do Oihole foi inaugurado a 6 de Fevereiro de 2002 pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, na presença do antigo Presidente da Namíbia, Sam Nujoma.

Tempo

Multimédia