Províncias

Construção da rede de estradas e aposta no ensino

Vários projectos de impacto social foram criados em 2011 na província do Cunene, permitindo o desenvolvimento da região nas mais variadas vertentes e a condição de vida das populações locais.

O reforço da capacidade na reabilitação de estradas e pontes marcou o quadro de realizações gizadas pelo governo da Lunda-Sul
Fotografia: Dombele Bernardo |

Vários projectos de impacto social foram criados em 2011 na província do Cunene, permitindo o desenvolvimento da região nas mais variadas vertentes e a condição de vida das populações locais.
Dos empreendimentos posto à disposição da comunidade, destaca-se a construção do Instituto Médio Agrário de Xangongo, no município de Ombadja, a escola técnica de saúde de Ondjiva, o centro de saúde em Omilunga, município de Kwanhama, a direcção da Provedoria da Justiça, de dois campos polivalentes e a aquisição de equipamentos para o saneamento básico.
Dos projectos construídos até Outubro deste ano, consta ainda a edificação de 200 casas para os antigos combatentes, uma escola de seis salas em Onahumba, Kwanhama, aquisição de fármacos e meios de assistência técnica e veterinária para o meio rural e de meios hospitalares.
Dentre as acções, destaca-se igualmente a aquisição de dois grupos geradores para a localidade de Okalwa, arredores de Ondjiva, para além de outros projectos não menos importantes de combate à fome e à pobreza a nível dos seis municípios da província.
Em curso e em fase avançada estão mais de 40 projectos que visam melhorar a imagem dos centros urbanos, das estradas e a vida das comunidades, como a reabilitação do edifício do governo provincial, das ruas da cidade de Ondjiva, as estradas que ligam Ondjiva/Santa Clara, Humbe/Cahama e Ondjiva/ Cuvelai, além da construção da conduta de água Xangongo/Ondjiva.
António Didalelwa considerou positivo o balanço de 2011, de acordo com os planos e projectos que foram executados na província.

Reabilitação de estradas

O reforço da capacidade no abastecimento de energia eléctrica, construção, reabiltação de estradas e pontes, escolas e hospitais marcou o quadro de realizações gizadas pelo governo provincial da Lunda-Sul, em 2011.
As acções visaram aproximar e melhorar os serviços junto das populações. No caso, o município de Saurimo, a capital da província, ganhou uma nova central térmica com capacidade para produzir 54 mega watt de energia eléctrica para cerca de 30 mil consumidores.
Constaram ainda das acções, a reabilitação do sistema de iluminação pública na urbe, que pela primeira vez  foi extensiva aos bairros periféricos. O quadro de realizações abarca ainda a construção de  58 novas casas geminadas, 48 salas, uma creche com 12 quartos e em fase de conclusão está o mercado municipal, que vai acolher mais de 400 vendedores.
No interior da província, foram edificadas 14 salas em Cacolo, 16 em Muconda e 18 no Dala, além do mercado e creche em cada localidade. Foram igualmente reabilitados 160 quilómetros da via que separa Saurimo e Dala.

Inaugurado hospital

As autoridades da província da Lunda-Norte consideram produtivo o ano de 2011, tendo em conta as metas alcançadas na melhoria da capacidade dos serviços hospitalares, reabilitação e construção de infra-estruturas sociais e administrativas, desenvolvimento habitacional e água para todos. A rede sanitária da província foi reforçada com a entrada em funcionamento de um moderno hospital municipal de Cambulo, baptizado com o nome do médico e ex-deputado, José Eduardo do Carmo Nelumba, dois centros médicos, nos municípios do Cuilo e Xá-Muteba e outros cinco em várias comunas e bairros.
Uma das realizações marcantes no sector da educação é a criação, este ano, dos cursos de Economia e Direito, na Universidade Luegi Akonde.
O sector energético continua a registar um grande défice em relação ao consumo. As estatísticas das autoridades locais revelam que foram produzidos em 2011, 46.624 mega watts de energia eléctrica, para um universo de mais de 300 mil consumidores.
Um dado positivo é o facto de no presente ano, todas as sedes municipais passarem a dispor de redes eléctricas funcionais, asseguradas sobretudo por grupos geradores com a capacidade de entre 250 a 3.000 kva.
A água deixou de ser um problema. Foram reabilitados em 2011 os sistemas de captação e tratamento de Mussungue e Cazunda, o que contribuiu para a melhoria do abastecimento às populações da cidade do Dundo e dos bairros circunvizinhos.
Em 2011, foram criadas políticas que visam revitalizar o sector agro-pecuário, melhorar a rede de distribuição e venda dos produtos do campo e estimular os agricultores locais a diversificarem as culturas e aumentarem os níveis de produtividade. A fazenda Cacanda, o maior projecto agro-pecuário da região, vai contribuir para o desenvolvimento agrícola da província, tendo em conta o apoio que vai prestar aos agricultores locais, através da formação técnica e profissional. O governo da província da Lunda-Norte, apesar das limitações financeiras, criou em 2011 as condições para melhorar a circulação rodoviária nas zonas urbanas e em alguns troços mais críticos.  É assim que foram asfaltadas as vias urbanas da cidade do Dundo e terraplenados 165 quilómetros da estrada que liga a comuna de Luangue à sede municipal do Cuilo e os troços Caungo-Cafunfo, cruzamento do Luó-Xacassau e Xa-cassau-Luchico. Foram também construídas as pontes sobre os rios Luale, Tembo, Chicapa e Luchico.
 
 
Mais crianças nas escolas

Na província do Uíge, os sectores da Educação e Saúde destacaram-se entre os demais. Em 2011, foram construídas 270 salas, no âmbito dos Programas de Investimentos Públicos e de Combate à Fome e à Pobreza, que contribuíram para a redução do número de crianças fora do sistema normal do ensino.
Nos municípios dos Buengas, Mucaba, Bungo e Puri foram construídos e inaugurados hospitais de referência, devidamente apetrechados com equipamentos modernos, melhorando, desta forma, a assistência médica e medicamentosa às populações locais.
As acções do governo incidiram igualmente no aumento de oportunidades de formação e emprego aos jovens, com realce para a entrada em funcionamento dos Serviços Integrados de Atendimento aos Cidadãos (SIAC), que melhorou a qualidade da prestação de serviços ao público. A agricultura foi também uma das áreas que mereceu a devida atenção do governo de Paulo Pombolo. Os dados disponíveis dão conta que houve um aumento considerável em relação ao volume de vendas do café.  Durante o ano de 2011, mais de 200 toneladas do produto foram comercializadas na província do Uíge, em função da nova filosofia de promoção e realização de mercados rurais, bem como a mobilização dos investidores para a compra do bago vermelho.
O governo da província, no âmbito do repovoamento animal, adquiriu mais de
900 cabeças de gado bovino e 1.500 caprinos, que distribuiu a mais de 300 criadores de gado que exercem a actividade agro-pecuária na região.

Ruas reestruturadas

Vários empreendimentos sociais e económicos foram colocados ao serviço da população da província do Kwanza-Norte, durante o ano de 2011. Entre as infra-estruturas, constam a construção de um novo sistema de captação e abastecimento de água potável, para atender 140 mil habitantes da cidade de Ndalatando. A água chega aos seus moradores através de 96 chafarizes públicos e em todas as habitações da parte urbana.
Um novo edifício do governo provincial foi construído na cidade de Ndalatando e custaram aos cofres do Estado cerca de 380,411 milhões de kwanzas.
 A província passou a ter um centro de produção, um sistema de emissão móvel de tipo “DSNG” e um estúdio fixo da Televisão Pública de Angola (TPA), que permitiu conectar o sinal em directo com os estúdios centrais em Luanda, desde Novembro. Para a melhoria do atendimento médico às populações foi construído um novo hospital regional em Camabatela, no município de Ambaca.
O ano prestes a findar trouxe outros benefícios. As ruas de Ndalatando, sede da província do Kwanza-Norte, foram completamente reestruturadas, com a colocação de um novo tapete asfáltico, lancis e passeios. As ruas e ruelas estão a beneficiar de uma nova sinalização vertical e horizontal para regular e disciplinar a circulação automóvel e segurança dos peões.

Programa geração de renda

A província do Bengo, tal como as demais, também cumpriu a sua parte. O governo traçou metas e muitos projectos foram concretizados em vários domínios. Foram construídas e reabilitadas várias infra-estruturas sociais e económicas de forma a dar maior dignidade ao modo de vida das populações. No quadro  das acções desenvolvidas pelo governo local em 2011, destaca-se a conclusão da reabilitação da estrada Úcua/Pango Aluquém.
No Bengo, o programa geração de renda, da direcção provincial de Assistência e Reinserção Social, formou 355 jovens de ambos os sexos, nas áreas de barbearia, electricidade, serralharia, marcenaria, artes e ofícios, costura e agricultura. O programa beneficiou também pessoas vulneráveis, como idosos, deficientes físicos e mulheres.
No município dos Dembos, o desafio das autoridades esteve direccionado ao combate à fome e à pobreza. Foi aprovado um pacote de projectos sociais nos sectores da água, saúde e educação.
O sector de Saúde  dispõe hoje de 108 infra-estruturas hospitalares, o da Educação controla  332 escolas, sendo que 283 do ensino primário, I ciclo (33), II ciclo (12), três Institutos médios, ensino superior e conta com mais de três mil professores. 

Educação melhorou

A inauguração de uma fábrica de água mineral no sector do Kissol, município sede da província de Malange, do grupo “Freimar”, constituiu, à margem de outras acções, um dos pontos de destaque do ano de 2011.
A fábrica, orçada em 49 milhões de dólares, resulta de uma parceria entre o Ministério da Agricultura, Banco Mundial, do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrário (FIDA) e do governo japonês.
A melhoria da qualidade do ensino nas escolas de Malange foi um dos desafios abraçados pela direcção de Malange da Educação. Gabriel Boaventura, director local da Educação promete “muito trabalho” para melhoria do sector.
Os cursos de licenciatura em Ciências de Educação, que arrancaram este ano pela primeira vez em Malange, surgem depois de um longo processo que levou muitos naturais da província a procurarem outros destinos como Uíge, Kwanza-Norte e mesmo Luanda.
O governo da província de Malange está a trabalhar no sentido de reforçar o sistema de produção de água para melhorar o abastecimento às populações.
O chefe do Departamento da Direcção Provincial das Águas de Malange, Lourenço Neto, disse que existem projectos que prevêem a captação do precioso líquido a partir dos rios Kuíge e Kwanza.
O Centro de Produção da Televisão Pública de Angola (TPA) em Malange, inaugurado a 4 de Fevereiro pela ministra da Comunicação Social, Carolina Cerqueira, propicia mais oportunidades à classe jornalística local.

Tempo

Multimédia