Províncias

Cruz Vermelha ajuda centenas de vítimas

Elautério Silipuleni e Paulino Capusso | Ondjiva

Ao todo, 860 famílias vítimas, em 2010, das calamidades naturais na província do Cunene, beneficiaram de bens, no âmbito do programa de ajuda humanitária e garantia de primeiros socorros gizado pela direcção local da Cruz Vermelha de Angola.

Vítimas das cheias têm sido apoiadas com bens de primeira necessidade e material de construção para reerguer as suas casas
Fotografia: Jornal de Angola

Ao todo, 860 famílias vítimas, em 2010, das calamidades naturais na província do Cunene, beneficiaram de bens, no âmbito do programa de ajuda humanitária e garantia de primeiros socorros gizado pela direcção local da Cruz Vermelha de Angola.
O programa, disse o secretário provincial da instituição, António Hipewambedi, que fazia o balanço das actividades desenvolvidas pela Cruz Vermelha de Angola/Cunene, permitiu diminuir o sofrimento destas famílias.
As famílias que beneficiaram destas ajudas são maioritariamente das comunas do Evale, Nehone, Ondjiva, Mupa e Chiedi, consideradas as mais afectadas pelas cheias.
Alimentos, chapas de zinco, utensílios domésticos, kits de construção e roupas usadas, entre outros bens de primeira necessidade, faziam dos meios entregues pela Cruz Vermelha às famílias desalojadas.
O responsável sublinhou que nas comunas afectadas pelas enxurradas de 2010, os populares, no âmbito de prevenção de doenças, como o paludismo e a diarreia, foram igualmente apoiados pela instituição, com cobertores, mosquiteiros, bidões para conservação de água, lonas e produtos de desinfecção.
O secretário provincial disse que a instituição prestou igualmente apoio na localização de famílias separadas pelo conflito armado.
António Hipewambedi afirmou que a Cruz Vermelha teve uma participação activa nas campanhas de vacinação contra a poliomielite, com voluntários que colaboraram com a direcção provincial da Saúde, no âmbito da erradicação da doença entre as crianças.

Projecto contra VIH/Sida

Quanto ao projecto de prevenção contra HIV/Sida no Cunene, revelou que a Cruz Vermelha de Angola na região tem um programa iniciado em 2007, que se encontra na fase final,
O programa, referiu, visa levar o aconselhamento às pessoas que vivem com a doença e na procura de mudanças de comportamento por parte da juventude, procurando que recorra aos Centros de Aconselhamento e Testagem Voluntária (CATV). António Hipewambedi manifestou-se satisfeito pelos resultados alcançados, desde o início do projecto, quanto à mudança de comportamento de muitas pessoas que acorrem voluntariamente aos CATV e à administração de anti-retrovirais.
Este projecto, que termina no segundo semestre do ano, tem resultados satisfatórios e, tendo em conta o número de pessoas com a doença na província, o secretário garantiu que se vai se dar continuidade ao programa. O projecto, referiu, dispõe de 150 voluntários formados pela Cruz Vermelha de Angola/Cunene, que operam nos municípios de Ombadja, Namacunde e Cuanhama.
A instituição controla 6.975 pessoas a viver com VIH/Sida e 1.579 crianças órfãs, que recebem apoio moral e material, principalmente materiais escolares, cobertores, mosquiteiros e livros de memória.

Projectos para este ano

O secretário provincial da ONG anunciou que a direcção da Cruz Vermelha de Angola, na província do Cunene, vai continuar, este ano, a ajudar as pessoas mais desfavorecidas e as vtimas das calamidades.
Estão também garantidos, frisou, o apoio e acompanhamento das actividades do projecto VIH/Sida e as acções formativas dos voluntários.

Tempo

Multimédia